Itália derruba clã mafioso que tentava participar da reconstrução dos Abruzos

Segundo a polícia, seis pessoas da máfia napolitana pertenciam ao braço financeiro de uma poderosa 'família' camorrista

Efe,

22 de julho de 2010 | 06h12

ROMA - A Guarda de Finanza (Polícia financeira italiana) desmantelou nesta quinta-feira, 22, uma organização ligada à Camorra, a máfia napolitana, que tentava participar das obras de reconstrução da região central dos Abruzos após o terremoto de 6 de abril de 2009.

A operação policial terminou com a detenção de seis pessoas, que os investigadores asseguram fazer parte do "braço econômico" dos Casaleses, a mais poderosa "família" camorrista.

Também foram confiscados 21 empresas e 118 imóveis, que somam um valor próximo a 100 milhões de euros, segundo um comunicado da Guarda de Finanza.

As investigações permitiram conhecer como a Camorra organizava a criação de empresas com sede em L'Aquila, a capital dos Abruzos, para que participassem das obras para a reconstrução das cidades devastadas pelo terremoto.

Uma destas empresas, uma fábrica de cimento, já tinha conseguido participar da reconstrução através de uma terceirização, segundo a imprensa local.

O escritor italiano Roberto Saviano, autor do sucesso internacional de vendas "Gomorra", já tinha advertido em abril, em artigo publicado no jornal, La Repubblica para o risco de as organizações mafiosas se apoderassem das obras de reconstrução nos Abruzos.

Saviano tinha explicado que nestes "tempos de crise" para o crime organizado, a Camorra napolitana tentaria utilizar suas conexões nos Abruzos para entrar no proveitoso negócio da reconstrução.

Tudo o que sabemos sobre:
Itália, clã, reconstrução

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.