AFP PHOTO / MARIOLAPORTA
AFP PHOTO / MARIOLAPORTA

Itália diz que pode ter encontrado barco que afundou e matou 900 imigrantes

Apenas 24 corpos foram recuperados desde a tragédia ocorrida no dia 18 e a descoberta dos destroços a 375 metros de profundidade pode revelar número maior de vítimas

O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2015 | 21h16

ROMA - A Marinha italiana afirmou nesta quinta-feira, 7, que acredita ter encontrado os destroços de um barco que afundou no mês passado na costa da Líbia provocando as mortes de até 900 imigrantes, no pior desastre registrado no Mediterrâneo de que se tem conhecimento.

Apenas 24 corpos foram recuperados desde a tragédia ocorrida no dia 18 e a descoberta dos destroços a 375 metros de profundidade a cerca de 135 quilômetros ao norte da Líbia pode aumentar consideravelmente as chances de encontrar mais vítimas.

As equipes de busca com dois navios especializados e uma embarcação militar menor usaram instrumentos de sonar e um submersível para localizar o barco azul de 25 metros que condiz com a descrição da embarcação que afundou, informou a Marinha em comunicado. "A localização e comprimento estão corretos, mas não podemos ter certeza", disse um porta-voz da Marinha ao ser questionado se as autoridades italianas tinham encontrado o barco de imigrantes.

A ausência do Estado na Líbia, onde dois governos rivais disputam o controle, deixou o caminho praticamente livre para os traficantes de pessoas. Dois sobreviventes do desastre foram presos na ilha italiana da Sicília no mês passado por suspeita de fazer tráfico de pessoas no barco.  

Após entrevistas com sobreviventes, promotores concluíram que mais de 750 pessoas provavelmente estariam a bordo, muitas presas no porão. Outros relatos sugerem que o número de mortos pode chegar a 900. Apenas 28 pessoas foram salvas. / REUTERS 
Tudo o que sabemos sobre:
ITALIANAUFRAGIOMEDITERRÂNEO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.