Itália estuda imposto aos ricos para reconstruir área atingida

Taxa para Abruzzo, devastada por tremor, pode ser aplicada àqueles com renda de mais de 130 mil euros anuais

Efe,

15 de abril de 2009 | 21h20

O governo italiano estuda taxar com um novo imposto as pessoas com renda mais alta para cobrir as despesas da reconstrução de Abruzzo, região atingida na semana passada por um terremoto que causou a morte de quase 300 pessoas, informa nesta quarta-feira, 15, a imprensa local. Seria uma contribuição obrigatória para os com renda superior a uma quantia que o governo poderia estabelecer entre 130 mil e 140 mil euros anuais.

 

Veja também:

linkDesabrigados de terremoto ficarão em casas de Berlusconi

lista Cronologia: Piores tremores dos últimos anos

especialEntenda como acontecem os terremotos

mais imagens Veja imagens do funeral das vítimas 

 

O jornal Corriere della Sera afirma que ainda não está claro se esta taxa seria aplicada como adicional do imposto à pessoa física ou seria uma contribuição extraordinária. O governo também estuda outras hipóteses, como um imposto adicional sobre a loteria.

 

Nos últimos dias, a imprensa também publicou outras possibilidades que o governo está estudando, como a possibilidade de que os contribuintes possam destinar uma quantia de seus impostos à reconstrução de Abruzzo. Esta hipótese gerou certa polêmica, porque, segundo algumas organizações de voluntários, isso diminuiria a contribuição para outros trabalhos sociais, o que foi negado pelo ministro da Economia italiano, Giulio Tremonti.

 

O terremoto de 5,8 graus de magnitude na escala Richter que atingiu o centro da Itália em 6 de abril gerou diversas réplicas. O terremoto causou a evacuação de pelo menos 40 mil pessoas e causou o desabamento de entre 38 mil e 60 mil edifícios.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.