Itália prende 40 membros da máfia na Calábria

Ofensiva da Polícia por famílias rivais é resposta ao assassinato de seis supostos mafiosos italianos na Alemanha

Efe,

30 de agosto de 2007 | 08h15

A Polícia italiana prendeu 40 supostos membros dos dois clãs da N'Drangheta, a máfia calabresa, do povoado de San Luca, no sul da Itália, e que estão em conflito há anos, informaram fontes policiais nesta quinta-feira, 30. A operação na Calábria e em outras regiões italianas é uma resposta ao assassinato de seis pessoas, dia 15 de agosto, em Duisburg, no oeste da Alemanha. A Polícia acredita que o crime foi um novo acerto de contas entre as duas "famílias", segundo a imprensa. Os procurados são acusados de associação mafiosa, tráfico de drogas e posse de armas. Mas, segundo as últimas informações, entre os primeiros detidos não estão os supostos autores dos assassinatos na Alemanha. Achille Marmo, irmão de Marco, um dos mortos em Duisburg, e Giovanni Strangio, irmão de Sebastiano, morto no mesmo ataque, foram presos. Existe ainda uma ordem de detenção contra Giovanni Nirta, considerado o chefe da "família" e responsável pela vingança de Duisburg, segundo os investigadores. San Luca, com 4.500 habitantes, é o palco de uma "guerra" mafiosa, que começou em 1991 com uma banal briga de ovos. O confronto cresceu em violência e terminou naquele mesmo dia com dois mortos.   Desde então, os acertos de contas entre as duas "famílias" têm se repetido. A última vítima tinha sido Maria Strangio, mulher de Giovanni Nirta, o que teria desencadeado a vingança de Duisburg.   Nesta quinta, uma delegação alemã foi à Calábria para trocar informação sobre os assassinatos com os investigadores italianos. A Polícia informará os resultados da operação às 10h30 (5h30 de Brasília).   No encalço do crime A Polícia italiana deteve nesta quinta-feira Salvatore Lo Russo, de 54 anos, suposto chefe de um clã da Camorra, a máfia napolitana, que leva seu nome, e o seu braço direito, Raffaele Perfetto, de 36 anos. A detenção não está relacionada com a operação policial realizadana Calábria. Fontes policiais informaram que os dois supostos mafiosos, procurados há anos pela Justiça, foram detidos numa casa da localidade de Capodimonte, na província de Nápoles.   Segundo os especialistas, Lo Russo é o chefe de um clã, conhecido também como Capitoni, formado nos anos 70. O grupo controla uma boa parte do tráfico de droga nos bairros napolitanos.   N'drangheta   A N'Drangheta tornou-se maior que sua contraparte siciliana mais famosa, a Cosa Nostra, devido à lealdade entre os clãs, unidos por relações de parentesco e casamentos arranjados. Hoje, a N'Drangheta é o principal grupo criminoso envolvido com o tráfico de drogas na Itália.   "Esse ataque tinha por objetivo mostrar poder. Não é apenas o clã que se fortalece, mas a N'Drangheta como um todo", afirmou Alberto Cisterna, um promotor italiano envolvido no combate a grupos mafiosos. "Isso mostra uma força, uma capacidade de intimidação muito preocupante."   Investigadores da Itália, que trabalham com a polícia alemã no caso, disseram que a N'Drangheta possui uma forte presença na Alemanha.   Um livro publicado no ano passado por um líder mafioso italiano baseado na cidade de Duisburg - chamado Cara de anjo - afirma que há intensa atividade mafiosa na cidade.

Tudo o que sabemos sobre:
MáfiaItáliaCalábria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.