Itália quer cúpula do G-8 em cidade atingida por terremoto

Berlusconi afirma que investimento para realização do encontro será melhor gasto na reconstrução de Áquila

Agências internacionais,

23 de abril de 2009 | 08h42

O governo italiano decidiu nesta quinta-feira, 23, propor a realização da próxima cúpula do Grupo dos Oito (G8, os sete países mais desenvolvidos e a Rússia) na cidade de Áquila, uma das mais castigadas pelo terremoto de 6 de abril, para levar a catástrofe ao centro das conversas do encontro.

 

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, em entrevista coletiva posterior ao Conselho de Ministros extraordinário realizado na cidade para aprovar um decreto-lei com fundos de 8 bilhões de euros para Abruzzo, região assolada pelo terremoto que deixou 295 mortos.

 

Segundo Berlusconi, dessa forma será possível economizar e fornecer um impulso econômico para a região afetada pelo problema. Berlusconi disse que o custo de se realizar o encontro entre os dias 8 e 10 de julho na ilha de La Maddalena, na Sardenha, ficaria em 220 milhões de euros (US$ 285 milhões). Para o primeiro-ministro, esse dinheiro seria melhor gasto na reconstrução da região de Abruzzo, atingida pelo tremor.

 

Berlusconi garantiu que há hotéis suficientes para as delegações, as conferências e também para os jornalistas que cobrirão o evento. A mudança dependeria da aprovação dos outros países participantes.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaterremotoG-8

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.