Itália reduz número de províncias para economizar

O governo italiano aprovou nesta quarta-feira a redução do número de províncias do país à quase metade, dentro de uma campanha para diminuir os onerosos custos das administrações regionais.

Reuters

31 de outubro de 2012 | 19h10

O decreto, que reduzirá o número de províncias para 51, das atuais 86, faz parte de um esforço mais amplo para combater o enorme gasto dos governos locais e regionais do país, fonte de desperdícios e ineficiência.

O primeiro-ministro, Mario Monti, conduziu uma ampla revisão do gasto público para tentar eliminar os gastos desnecessários e ajudar a controlar a enorme dívida pública italiana, que equivale a 126 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

O governo não deu uma estimativa sobre o valor a ser economizado com a reforma, mas afirmou que terá uma ideia mais clara quando a reorganização local e regional for concluída.

O decreto, aprovado nesta quarta-feira em reunião de gabinete, afeta grandes cidades como Milão, que incorporará a província de Monza, mas não inclui regiões semiautônomas como a Sicília.

As províncias, responsáveis por tarefas como registros de automóveis e algumas escolas, fazem parte do complexo sistema de administrações locais, governos regionais, municipais e provinciais.

Segundo o decreto, os governos provinciais serão abolidos a partir de 2013. O texto também contém medidas para impedir que as autoridades locais tenham várias responsabilidades de uma só vez.

O gabinete também aprovou um pacote de medidas que pretende recortar 40 milhões de euros anuais do custo de governos regionais, reduzindo ineficiência e desperdício de dinheiro.

(Reportagem de James Mackenzie)

Tudo o que sabemos sobre:
ITALIAPROVINCIASCUSTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.