Italianos são mortos na Alemanha em aparente guerra de máfias

Vítimas são achadas próximas à principal estação de trem da cidade; crime pode ter ligação com máfia italiana

Associated Press e Agência Estado,

15 de agosto de 2007 | 03h47

Seis italianos foram mortos com tiros na cabeça em uma chacina ocorrida na madrugada desta quarta-feira, 15, no oeste da Alemanha. Segundo funcionários do governo italiano, o massacre é parte de alguma antiga disputa entre grupos mafiosos.   As seis vítimas foram encontradas no interior de dois veículos perto da principal estação ferroviária de Duisburg nas primeiras horas desta quarta-feira.   Um dos homens chegou a ser socorrido, mas morreu na ambulância, disse Hermann-Josef Helmich, porta-voz da polícia local. Todas as vítimas, que tinham entre 16 e 38 anos, foram baleadas na cabeça a uma curta distância, e aparentemente não estavam armadas.   Em Roma, o ministro da Interior da Itália, Giuliano Amato, comentou que os assassinatos aparentemente fazem parte de alguma disputa entre clãs rivais envolvidos com a N'Drangheta, uma organização mafiosa estabelecida na Calábria suspeita de vínculos internacionais com redes de tráfico de drogas, armas, extorsão e outros crimes.   Amato comentou que uma das vítimas encontradas em Duisburg aparentemente estaria envolvida com uma disputa iniciada em 1991 na Calábria, mas não mencionou nomes.   A polícia italiana teme agora que parentes das vítimas, obedecendo à tradição da vendeta (a vingança entre clãs mafiosos), respondam às mortes de forma igualmente violenta.   "Estamos tentando evitar que uma tragédia semelhante ocorra (na Calábria)", disse Amato em entrevista coletiva.   "Trata-se de um acerto de contas sem precedentes, também por ter acontecido pela primeira vez em um país estrangeiro", disse Luigi de Sena, subcomandante da polícia calabresa, citado pela agência de notícias Ansa.   Conflito antigo   Segundo as autoridades italianas, as vítimas, todas vindas da região da Calábria, pertenciam a um dos dois clãs rivais baseados na cidade de San Luca.   O antigo conflito eclodiu em 1991 e ganhou novas proporções nos últimos oito meses. No total, 15 pessoas já foram mortas.   A polícia de Duisburg informou que não havia registros anteriores de atividades da máfia italiana na cidade, situada no extremo oeste da região industrial do vale do Ruhr.   Agentes da Interpol em Roma seguiram para a Alemanha para ajudar nas investigações, disse uma funcionária da força internacional de polícia, sob condição de anonimato.   Aniversário   Os tiros foram ouvidos por volta das 2h30 por uma testemunha que passava próximo a estação de trem. Ela teria parado um carro de patrulha para informar sobre os disparos.   Segundo informações da imprensa italiana, um dos homens tinha acabado de fazer 18 anos e estaria comemorando o aniversário com os amigos em um restaurante italiano chamado "Da Bruno".   As reportagens afirmam que um dos homens mortos seria o dono do restaurante, e que dois outros eram irmãos.   Ainda de acordo com sites italianos, a vítima mais nova, de 16 anos, estava na Alemanha visitando seu primo de 38, também morto na ação.   N'drangheta   A N'Drangheta tornou-se maior que sua contraparte siciliana mais famosa, a Cosa Nostra, devido à lealdade entre os clãs, unidos por relações de parentesco e casamentos arranjados. Hoje, a N'Drangheta é o principal grupo criminoso envolvido com o tráfico de drogas na Itália.   "Esse ataque tinha por objetivo mostrar poder. Não é apenas o clã que se fortalece, mas a N'Drangheta como um todo", afirmou Alberto Cisterna, um promotor italiano envolvido no combate a grupos mafiosos. "Isso mostra uma força, uma capacidade de intimidação muito preocupante."   Investigadores da Itália, que trabalham com a polícia alemã no caso, disseram que a N'Drangheta possui uma forte presença na Alemanha.   Um livro publicado no ano passado por um líder mafioso italiano baseado na cidade de Duisburg - chamado Cara de anjo - afirma que há intensa atividade mafiosa na cidade.   Matéria ampliada às 13h41.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhatiroteioDuisburg

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.