Reuters
Reuters

Jacques Chirac nega ter criado empregos fantasmas

Ex-presidente francês é acusado de desvio de verbas públicas quando era prefeito de Paris nos anos 90

estadao.com.br,

05 Novembro 2009 | 11h22

O ex-presidente da França Jacques Chirac, acusado de participar de um esquema de empregos fictícios quando era prefeito de Paris, assegurou nesta quinta-feira, 5, que as pessoas que preencheram tais cargos "trabalhavam para os parisienses", segundo informou a agência AFP.

 

"Hoje me reprovam por ter contratado pessoas que não tinham vínculos com a ação municipal na prefeitura de Paris e rejeito formalmente essa acusação", disse Chirac em uma entrevista à rádio Europe 1. "Esses empregos tinham uma razão de ser para a cidade e para a prefeitura", acrescentou o ex-presidente. "As 21 pessoas que foram contratadas trabalhavam para os parisienses", completou Chirac, de 76 anos, prefeito da capital francesa de 1977 a 1995, quando chegou à presidência.

 

O ex-mandatário é acusado de malversação de fundos públicos e abuso de confiança. No fim de setembro, a juíza Xaviere Simeoni decretou que o Chirac deveria comparecer ao Tribunal Correcional de Paris.

 

"Estou orgulhoso da minha ação para servir os parisienses. O que conta é o julgamento deles", disse Chirac. "Naturalmente irei como qualquer cidadão tem o dever de fazer para me explicar no tribunal, e o farei com serenidade e determinação", garantiu. Em entrevista publicada nesta quinta-feira no jornal Le Figaro, Chirac expressa seu desejo de "estabelecer rapidamente a verdade de seus feitos e poder virar essa página definitivamente".

 

O julgamento do ex-presidente pode acontecer em 2010, já que a promotoria de Paris decidiu que não vai recorrer do caso, conforme o acusado havia pedido. "A única coisa que conta é a justiça. Não peço clemência nem indulgência pois estaria fora de lugar, tratando-se da Justiça do meu país", disse o Chirac.

Mais conteúdo sobre:
Chirac França Justiça julamento Paris

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.