Jovem fere ao menos 9 alunos em ataque à escola na Alemanha

Agressor, armado com um machado e coquetéis molotov, foi baleado pela Polícia e está em estado grave

Agência Estado e Associated Press,

17 de setembro de 2009 | 10h42

Um estudante, armado com um machado e coquetéis molotov, feriu pelo menos nove alunos na escola de ensino médio na qual estudava nesta quinta-feira, 17, em Ansbach, no sul da Alemanha. O agressor foi baleado cinco vezes pela polícia e está em estado crítico, segundo as autoridades.

 

O jovem entrou na escola Carolinum, na cidade bávara de Ansbach, e lançou dois explosivos, que não chegaram a causar um incêndio de grandes proporções, de acordo com o bombeiro Horst Settler. Segundo o chefe dos policiais presentes na cena do crime, Udo Dreher, todos os feridos eram alunos. Ele disse que duas jovens estavam em estado grave e havia ainda um número indeterminado de alunos com ferimentos leves.

 

Das alunas internadas em estado grave, ambas de 16 anos, uma foi ferida na cabeça com arma branca - acredita-se que com o machado - e corre risco de morrer, enquanto a outra apresenta queimaduras graves, porque estava perto do ponto onde explodiram os coquetéis molotov.

 

O agressor teve acesso ao centro após romper a porta principal com um machado, e depois atacou um grupo de alunos, de entre 14 e 16 anos, e lançou duas bombas incendiárias. A polícia não podia confirmar os relatos da imprensa, segundo os quais o jovem lançou os coquetéis dentro de uma sala de aula.

 

Todos os 700 estudantes foram retirados do local. Dreher disse que a polícia recebeu a denúncia às 8h35 (hora local). Quando chegaram à escola, feriram o estudante a tiros e o prenderam. O chefe disse que o agressor, aluno do último ano no centro, foi encurralado perto de um banheiro por dois agentes e foi baleado por ameaçar os policiais com as granadas incendiárias que lhe restavam.

O promotor Gudrun Lehnberger afirmou que o jovem está detido sob suspeita de tentativa de homicídio. Lehnberger disse que estão sendo investigadas as motivações do estudante para a agressão, apenas três dias após o início do novo ano letivo na Baviera.

O incidente foi o segundo ataque em uma escola da Alemanha neste ano. Em março, Tim Kretschmer, de 17 anos, matou a tiros 12 pessoas em sua antiga escola em Winnenden, no sul do país. Ele fugiu do local e matou outras três pessoas, antes de se suicidar. Após o ataque de Kretschmer, a Alemanha tornou mais rígidos os controles para os proprietários de armas.

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanhaviolênciaataqueescola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.