Judeus saem das sombras do Holocausto na Alemanha

Yitshak Ehrenberg testemunhou uma transformação na comunidade judaica da Alemanha ao longo de seus 15 anos como rabino ortodoxo em Berlim e está determinado em aproveitar a nova geração para garantir que a religião floresça por ali.

REUTERS

23 de fevereiro de 2012 | 16h04

"Depois da guerra, a maior parte da comunidade era formada por refugiados, sobreviventes, almas humilhadas que haviam perdido sua família e algumas vezes até mesmo a fé", disse à Reuters o homem de 62 anos, em uma sala de estar luxuosa decorada com obras de arte modernas e fotografias da família.

"Agora, essa geração se foi e a comunidade tem o dobro do tamanho, mas 90 por cento dela vem da ex-União Soviética. Se não fosse pelas novas chegadas, a sinagoga estaria vazia", disse o rabino nascido em Israel.

A experiência de Ehrenberg reflete como a vida dos judeus se transformou na Alemanha com a chegada de cerca de 200 mil judeus da ex-União Soviética nos últimos 20 anos.

A emergência de uma nova geração, ansiosa em participar das atualidades da sociedade alemã, provocou a abertura de bares de 'bagel', restaurantes judaicos, escolas e sinagogas em cidades como Berlim, Munique e Dresden na última década.

Com sua imagem modernosa atraindo os jovens, Berlim também se tornou popular entre os israelenses. Há cerca de 20 mil morando na cidade.

(Por Madeline Chambers)

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAJUDEUS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.