Juiz espanhol Garzón abandona casos sobre Guerra Civil

O juiz espanhol Baltasar Garzón deixou nesta terça-feira as investigações sobre as desaparições ocorridas durante a Guerra Civil e o franquismo, passando-as para os tribunais regionais. Em seu discurso, ao qual a Reuters teve acesso, Garzón declara extinta a possibilidade de condenação do general Francisco Franco e outras 44 autoridades de alta patente de seu governo após a comprovação de que todos eles estão mortos. Garzón arquivou o caso na Audiência Nacional e o transferiu para os tribunais das 20 províncias onde estão localizadas as covas já identificadas. O juiz provocou polêmica em alguns setores da sociedade ao se declarar competente para investigar o caso, uma decisão que foi apelada pela promotoria. "Quase nunca se pode dizer que é o final. Os advogados que iniciaram a ação agora estão examinando isso e estudando para ver o que pode ser feito", disse Santiago Macías, vice-presidente da Associação para a Recuperação da Memória Histórica, a emissora de rádio Cadena Ser. (Reportagem de Itziar Reinlein)

REUTERS

18 de novembro de 2008 | 11h50

Tudo o que sabemos sobre:
ESPANHAJUIZRENUNCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.