Juíza concede liberdade a médico indiano detido na Austrália

Para ser libertado, Muhamed Haneef deve pagar fiança de 10 mil dólares australianos (US$ 8.600)

Efe

16 Julho 2007 | 00h40

Uma juíza do Tribunal de Magistratura de Brisbane concedeu nesta segunda-feira, 16, liberdade sob fiança a Muhamed Haneef. O médico indiano foi acusado formalmente pela Polícia Federal australiana de prestar apoio a uma organização terrorista.   A juíza Jacqui Payne estabeleceu uma fiança de 10 mil dólares australianos (US$ 8.600) depois de Haneef ser acusado formalmente no sábado de estar ligado aos atentados fracassados no Reino Unido.   O promotor Clive Porritt pediu à magistrada que mantivesse Haneef preso até seu julgamento, como estabelecem as leis antiterroristas, mas um dos advogados do detido, Stephen Keim, pediu sua libertação, porque as acusações contra seu cliente não se sustentam.   Entre outras razões, a polícia baseou a acusação no fato de Haneef ter dado um cartão pessoal com seu número de telefone a um dos detidos por esses atentados frustrados.   O médico, detido em 2 de julho no aeroporto de Brisbane, é parente de Kafeel Ahmed e Sabeel Ahmed, detidos pelos atentados frustrados, e viveu por dois anos com o primeiro em Liverpool (Reino Unido).

Mais conteúdo sobre:
acusados, atentados no Reino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.