Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Justiça espanhola pede prisão de 12 membros das Farc e da ETA

Juiz acusa grupos de planejar atentados na Espanha com ajuda da Venezuela

Associated Press

15 de março de 2010 | 17h05

A Justiça espanhola emitiu nesta segunda-feira, 12, ordens de prisões internacionais contra 12 membros da organização separatista basca ETA e das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Os grupos são acusados de colaborarem para execução de atentados na Espanha.

Há três semanas, o juiz Eloy Velasco, que cuida do caso, acusou o governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez, de amparar uma aliança estratégica entre os dois grupos, o que gerou um atrito diplomático entre Espanha e Venezuela.

De acordo com o juiz, membros da ETA e das Farc planejavam um atentado contra o presidente colombiano, Alvaro Uribe, seu antecessor, Andres Pastrana e receberam treinamento na selva venezuelana. Velasco apontou o membro da ETA Arturo Cubillas como elo entre o grupo e as Farc.

O inquérito começou em novembro de 2008, baseado em dados obtidos no computador do número 2 das Farc, Raúl Reyes, morto pelo Exército colombiano durante uma incursão no Equador em março daquele ano.

Velasco pediu a prisão de Cubillas e de outros cinco ativistas da ETA (José Ignacio Echarte Urbieta, José José Ungel Urtiaga Martínez, José Miguel Arrugaeta San Emeterio, Ignacio Domínguez Achalandabaso e José María Zaldúa Corta) e de seis membros das Farc (Emiro del Carmen Ropero Suárez, Rodrigo Granda Escobar, Luciano Martín Arango,  Omar Arturo Zabala Padilla, Víctor Ramón Vargas Salazar, e Edgar Gustavo Navarro Morales).

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaFarcETAVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.