Kosovo chama de 'desastre' resolução proposta pela Sérvia na ONU

Texto do governo sérvio propõe diálogo sobre crise, mas não reconhece independência de sua ex-província

Efe,

29 de julho de 2010 | 23h23

GENEBRA- O ministro de Exteriores de Kosovo, Skender Hyseni, qualificou nesta quinta-feira, 29, de "desastre" o projeto de resolução que a Sérvia apresentou na Assembleia Geral das Nações Unidas, que pede o diálogo entre as duas partes, mas rejeita a independência kosovar.

 

Veja também:

linkSérvia pede à ONU para inibir ações separatistas

 

"Vi o texto e é um desastre", disse em entrevista coletiva Hyseni, que pediu ao governo sérvio que mude de "mentalidade" pelo bem da região dos Bálcãs.

 

O ministro considerou que, após a recente sentença da Corte Internacional de Justiça (CIJ) a favor da independência de Kosovo, as autoridades sérvias adotaram uma postura "que deixa muitos países nervosos".

 

"A intransigência sérvia mantém toda a região dos Bálcãs ocidentais atrasada, tanto no âmbito político como no econômico, e mantém detida sua perspectiva europeia", indicou.

 

Hyseni lembrou que foi a Sérvia quem propôs à Assembleia Geral da ONU solicitar a opinião da CIJ. Por isso, agora deveriam respeitar a decisão dos juízes.

 

"Não há outra saída senão uma cooperação, de Estado a Estado, entre Sérvia e Kosovo, sobre um futuro comum, que é a União Europeia (UE)", indicou.

 

Nesse aspecto, ele minimiza a importância de que cinco países dos 27 membros da UE (Espanha, Grécia, Eslováquia, Romênia e Chipre) não reconheçam a ex-província sérvia.

 

Para o ministro kosovar, não será possível a esses países manter sua atual recusa frente à opinião dos outros 22 países-membros, já que a UE necessita de "uma política coerente" em relação aos Bálcãs.

 

Por sua vez, o ministro de Exteriores da Sérvia, Vuk Jeremic, se reuniu hoje com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para falar sobre a proposta de seu país à Assembleia Geral do organismo, entre

outras coisas.

 

O projeto de resolução faz parte da ofensiva diplomática sérvia iniciada depois do revés que representou a decisão de 22 de julho dos magistrados da CIJ de aprovar, em um parecer não-vinculante, a declaração unilateral de independência de Kosovo.

 

As autoridades sérvias mantêm sua rejeição à autoproclamada independência de sua província do sul e esperam receber apoio internacional para continuar negociando uma saída diplomática ao conflito.

Tudo o que sabemos sobre:
kosovoSérviaONUCIJindependência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.