Kosovo é um preço alto a pagar para entrar na UE, diz igreja sérvia

A Igreja Ortodoxa da Sérvia alertou neste sábado contra uma "traição" de Kosovo, aumentando a pressão sobre a coalizão governante que analista a possibilidade de ceder a última base do país em sua antiga província, em troca de negociações para uma adesão à União Europeia.

Reuters

06 de abril de 2013 | 14h03

O apelo ocorre antes do fim de um prazo na terça-feira para o governo sérvio dizer à UE se aceita um plano para resolver a divisão étnica do Kosovo entre a maioria albanesa e uma pequena população de sérvios no norte.

A Sérvia considera Kosovo, rica em história e mito, o berço da nação sérvia e sua fé cristã ortodoxa.

Mas os albaneses são a maioria, de 90 por cento, sendo muitos deles muçulmanos. Eles entraram em guerra em 1998 e 1999 e, finalmente, Kosovo declarou a independência em 2008, mas a Sérvia ainda tem um porção frágil no norte, onde cerca de 50.000 sérvios vivem.

A rejeição do plano poderia custar a Sérvia um lugar cobiçado nas negociações sobre a adesão à UE, um processo que poderia conduzir a reforma e ajudar a atrair investidores para a economia da Sérvia, a maior na ex-Iugoslávia.

(Por Matt Robinson)

Tudo o que sabemos sobre:
SERVIAKOSOVO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.