Lei que proíbe fumo espalha-se pela Europa

França, Portugal e Alemanha aderem à proibição do fumo em locais públicos fechados

Agências internacionais,

02 de janeiro de 2008 | 12h18

Alguns países da Europa começaram a proibir o fumo em locais públicos fechados. Irlanda, Itália, Grã-Bretanha e Espanha já faziam parte desse grupo que agora conta com novos integrantes: França, Portugal e Alemanha. A proibição na França começou a vigorar a partir de terça-feira, 1, e vale para locais públicos como bares, restaurantes, cassinos e casas noturnas. Quem desobedecer à nova lei terá de pagar multas que podem chegar a 750 euros (cerca de R$ 1.970) para os comerciantes e 450 euros (aproximadamente R$ 1.180) para o cliente.  Em 2003, a venda de cigarros na França foi proibida aos menores de idade, e desde fevereiro de 2007 os franceses já não podiam mais fumar em locais públicos como escolas e empresas.  Já a Alemanha estendeu na terça-feira, 1, o mesmo tipo de proibição de 11 para 16 Estados. A restrição passou a valer em Berlim, a capital do país. Em Portugal, o diretor do órgão responsável pela aplicação da proibição recém-decretada ao fumo em locais públicos foi visto fumando numa festa de Réveillon, infringindo a lei no primeiro dia em que ela entrou em vigor.  Antonio Nunes, presidente da Autoridade de Segurança Alimentar e Econômica de Portugal, foi fotografado pelo jornal Diário de Notícias fumando um charuto num cassino próximo a Lisboa.  Nunes disse ao jornal que não sabia que a nova lei, que proíbe o fumo em cafés, restaurantes e bares, também se aplicava aos cassinos. Mas um porta-voz do Ministério da Saúde disse que sim --também nos cassinos é proibido fumar. "Teremos que analisar o que está contido na lei", disse Nunes.  Na Espanha, 1,2 mi deixam cigarro  Uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira, 2, pela imprensa espanhola estima que mais de 1,2 milhão de pessoas deixaram de fumar na Espanha dois anos após a proibição entrar em vigor, em janeiro de 2005. A lei proíbe totalmente o fumo no ambiente de trabalho e nos transportes públicos, e parcialmente em bares e restaurantes. A diminuição, no entanto, não se deve apenas à lei. "Cerca de 350 mil pessoas deixavam de fumar por ano antes da proibição entrar em vigor", disse o porta-voz do Comitê Nacional de Prevenção ao Tabagismo (CNPT), organismo responsável pela pesquisa.

Tudo o que sabemos sobre:
ProibiçãofumoEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.