Líder opositor russo mantém candidatura, mas diz não a debate

Zyuganov nega que deixará o pleito após candidato de Putin descartar participação na TV

Efe,

29 de janeiro de 2008 | 12h03

O líder comunista russo Gennady Zyuganov afirmou nesta terça-feira, 29, que não se retirará das eleições presidenciais de 2 de março e não participará dos debates após a desistência de seu rival governista, o vice-primeiro-ministro Dmitri Medvedev. "As opções são tornar o pleito uma palhaçada ou oferecer uma alternativa aos cidadãos. Eleições são eleições quando há o que escolher", declarou Zyuganov à imprensa na cidade siberiana de Barnaul. Desta forma, o dirigente comunista descartou as especulações da imprensa de que poderia se retirar do pleito após a Comissão Eleitoral Central (CEC) negar o registro ao candidato da oposição liberal, o ex-primeiro-ministro Mikhail Kassianov. Após a desqualificação de Kassianov, restam três adversários para Medvedev, candidato do atual presidente russo Vladimir Putin e claro favorito do pleito: Zyuganov, o ultranacionalista Vladimir Jirinovski e o líder da maçonaria russa, Andrei Bogdanov. O líder comunista ressaltou que Jirinovski é um fiel partidário do regime atual e classificou Bogdanov como "uma invenção do partido do poder" para fazer com que as eleições pareçam pluralistas e dêem maior legitimidade aos olhos do Ocidente. Zyuganov disse que tem "boas chances" de obter votos no pleito e que seu partido está disposto a "defender seus votos, tanto com métodos jurídicos quanto na rua", caso as autoridades cometam fraudes, diz a agência Interfax. O número dois do Partido Comunista, Ivan Melnikov, disse que Zyuganov não participará dos debates após a desistência de Medvedev no dia anterior, a quem o dirigente comunista convidou para debater na TV. Melnikov declarou que o líder do PC aproveitará os espaços televisivos definidos nesta terça pela CEC, mas para apresentar seu programa eleitoral e não para debater com Jirinovski e Bogdanov.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.