Líder socialista grego quer mais tempo para ajuste fiscal

O líder socialista grego Evangelos Venizelos advertiu que a recessão do país poderia ser mais profunda do que o previsto para este ano e, em um encontro com inspetores da União Europeia, do Banco Central Europeu (ECB, na sigla em inglês) e do FMI, defendeu a extensão do plano de corte de déficit para três anos.

Reuters

07 de julho de 2012 | 14h13

Os socialistas são um dos três partidos que compõem o novo governo de coalizão da Grécia formado depois da votação de 17 de junho, interessados em amenizar os termos de uma punição de um resgate que está mantendo o país à tona embora o leve para uma recessão mais profunda.

Os inspetores da Troika (como são chamadas as três instituições) estão em uma missão de análise em Atenas, revendo deficiências no progresso da Grécia em ajustes fiscais e reformas no âmbito de um pacote de resgate de 130 bilhões de euros.

"O senhor Venizelos insistiu na necessidade de acordar um novo programa de estratégia fiscal, atualizado para o médio prazo", segundo comunicado emitido neste sábado.

"Ele levantou a questão da revisão do resgate, em linha com os procedimentos nele previstos, e que prorroga o período do ajuste fiscal para três anos".

(Por George Georgiopoulos)

Mais conteúdo sobre:
GRECIAAJUSTEFISCAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.