Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Livro revela existência de comunicação entre IRA e Reino Unido

Relação britânica com o Exército Republicano Irlandês (IRA) teria ajudado processo de paz entre os dois países

Efe,

18 de março de 2008 | 20h23

As memórias de Jonathan Powell, chefe de gabinete durante o governo de Tony Blair, revelaram a existência durante vários anos de um canal secreto de comunicação entre o governo britânico e o Exército Republicano Irlandês (IRA), segundo informou nesta terça-feira, 18, a agência Efe.   Powell explica esta relação em seu livro Great Hatred, Little Room: Making Peace in Northern Ireland (Muito Ódio e Pouco Espaço: Fazendo a Paz na Irlanda do Norte, em tradução livre), que teve alguns trechos já publicados no jornal britânico The Guardian. Segundo o autor, o processo de paz na Irlanda do Norte talvez não tivesse sido possível sem este canal secreto.   O livro conta que esta relação secreta, que funcionou entre 1973 e 1993, envolvia não apenas agentes dos serviços de informação britânicos MI5 e MI6, mas também um empresário chamado Berendan Duddy, da região de Derry, na Irlanda do Norte.   "Para um governo democrático é muito difícil reconhecer que mantém conversas com grupos terroristas enquanto estes matam seus cidadãos", explica Powell, que recentemente afirmou que os países ocidentais deveriam estar dispostos a conversar inclusive com a Al-Qaeda.   "Por sorte, para o processo (de paz na Irlanda do Norte), o canal secreto de comunicações entre o governo britânico e o IRA esteve sempre disponível quando foi necessário a partir de 1973", explica o ex-colaborador de Blair.   No entanto, este canal foi usado apenas em três ocasiões importantes: para negociar um cessar-fogo do IRA em meados dos anos 70, durante a primeira greve de fome do IRA, em 1980, e na fase inicial do processo de paz, nos anos 90.   Apesar disto, o simples fato da existência deste canal entre a liderança do IRA e a sede do chefe do governo de Londres - viabilizado principalmente pelo empresário Duddy e por um agente do MI6 chamado Michael Oatley - foi muito importante.   Este canal de comunicação foi interrompido em 1993, quando o principal negociador do Sinn Féin - o braço político do IRA -, Martin McGuinness, reagiu irado às acusações de que enviou uma mensagem que supostamente dizia que o conflito estava encerrado.   Segundo Powell, a veracidade da mensagem em questão ainda não é clara, mas o certo é que estabeleceu as bases para o processo de paz. "John Major (então primeiro-ministro britânico) pensou 'Bom,talvez isto nos dê a oportunidade de superar o ponto morto na Irlanda do Norte'", afirmou o ex-governante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.