Londres condena sete por planejar atentados terroristas

Grupo vinculado à Al-Qaeda pretendia realizar ataques nos EUA e Reino Unido

Agencia Estado

19 Junho 2007 | 11h05

Sete membros de uma célula terrorista dirigida pelo terrorista Dhiren Barot, vinculado à rede Al-Qaeda, foram condenados nesta sexta-feira, 15, por um tribunal londrino a um total de 136 anos de prisão, por participar em uma conspiração para planejar atentados no Reino Unido e nos Estados Unidos. Qaisar Shaffi, Mohammed Naveed Bhatti, Junade Feroze, Zia Ul Haq, Abdul Aziz Khalil, Omar Abdur Rehman e Nadeem Tarmohamed terão que cumprir penas de até 26 anos de prisão cada um, após ser considerados essenciais pelo tribunal Woolwich Crown Court nos planos de Barot para cometer ataques nesses dois países. Barot, muçulmano convertido de origem indiana, foi considerado culpado, em novembro passado, de planejar atentados contra os EUA, onde pretendia atacar instituições financeiras, e contra o Reino Unido, onde tramava ataques químicos. O condenado, que em maio passado ganhou um recurso para a redução de sua pena, planejava "explosões maciças" sincronizadas, em particular contra o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) em Washington, além da Bolsa de Nova York, de acordo com a Procuradoria britânica. Barot também queria explodir um trem do metrô de Londres enquanto circulava sob o rio Tâmisa, para que centenas de passageiros morressem afogados e inundar a rede. De acordo com a Procuradoria, o condenado queria imitar os atentados em Madri de 11 de março d 2004 contra trens, que causaram 191 mortes, e achava que esses ataques "mereciam ser copiados, mais do que qualquer outro". Shaffi, de 28 anos, foi considerado culpado de conspirar para assassinar, enquanto os outros seis foram condenados pelo crime de conspirar para causar explosões. Os homens faziam parte de um grupo autoproclamado "célula dormente" ao redor de Barot, que já foi condenado em 2006 à prisão perpétua por planejar "atentados colossais" nos EUA e no Reino Unido. "Barot foi o incitador deste complô terrorista. Foi, a uma considerável distância, o principal participante na conspiração", disse o juiz Neil Butterfield, ao ditar a sentença. O magistrado afirmou que cada um dos condenados foi "recrutado" por Barot, que tinha categoria de "general" no grupo. Khalil, de 34 anos, foi condenado a 26 anos de prisão; Feroze, de 31 anos, pegou 22 anos; Bhatti, de 27 anos, e Tarmohamed, de 29 anos, terão que cumprir 20 anos cada um. Ul Haq, de 28 anos, foi sentenciado a 18 anos, enquanto Rehman, de 23 anos, e Shaffi terão que cumprir 15 anos de prisão.

Mais conteúdo sobre:
Terrorista EUA Reino Unido atentado Al-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.