Londres expulsará diplomatas russos por caso de ex-agente

Decisão é retaliação de Londres pela negação russa em extraditar principal suspeito na morte de Litvinenko

REUTERS, REUTERS

16 Julho 2007 | 12h20

O Reino Unido afirmou nesta segunda-feira, 16, que vai expulsar quatro diplomatas da embaixada russa em Londres e que suspenderá negociações sobre vistos em retaliação à recusa de Moscou em extraditar um suspeito pela morte do ex-agente Alexander Litvinenko.Veja Também:» Garçom diz que chá de ex-espião foi envenenado "Essa é uma situação que o governo não procurou...mas não tivemos escolha se não lidarmos com isso", disse o secretário das Relações Exteriores britânico, David Miliband, durante um discurso ao Parlamento sobre as medidas tomadas.Segundo uma fonte, o governo russo dará uma resposta adequada à expulsão.Litvinenko, ex-integrante das forças de segurança da Rússia, fugiu para o Reino Unido e tornou-se um ferrenho crítico do presidente russo, Vladimir Putin. Ele morreu em Londres, no ano passado, depois de ser envenenado com uma substância radioativa.A Rússia recusa-se a extraditar o suspeito Andrei Lugovoy, também ex-agente dos serviços de segurança. Promotores britânicos querem que ele responda à Justiça do país e buscam acusá-lo pelo assassinato de Litvinenko.   Litvinenko, ex-espião do Serviço Federal de Segurança (ex-KGB), morreu em 23 de novembro de 2006, após adoecer cerca de um mês antes, em 1º de novembro, dia em que se encontrou com o também ex-espião Andrei Lugovoi e com outro cidadão russo, Dmitry Kovtun, no hotel Millennium da capital britânica. O ex-espião vivia com a família em Londres e tinha recebido a nacionalidade britânica após se refugiar há alguns anos no Reino Unido. Em carta divulgada após sua morte, Litvinenko disse que o Kremlin estaria por trás de seu assassinato, pelo fato de o ex-agente ter acusado os serviços secretos russos de causar uma série de explosões em um edifício de Moscou, em 1999, para ajudar Vladimir Putin a chegar à Presidência.  Desde maio, quando a promotoria britânica acusou Lugovoi de assassinato, o Kremlin tem encorajado a mídia russa a culpar o oligarca russo Boris Berezovski e o MI6 (serviço secreto britânico) pelo assassinato do ex-agente soviético. Os canais de televisão também exibiram longas entrevistas com um russo que afirmou que o MI6 tentou contratá-lo e que Litvinenko se envenenou.  Numa coletiva de imprensa surreal em Moscou, Lugovoi declarou que os responsáveis pelo assassinato eram Tony Blair, Berezovski e a máfia georgiana. Em Downing Street, as autoridades acham que, se quisesse, o Kremlin poderia extraditar Lugovoi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.