Lula chega à Rússia em visita para impulsionar relações

Presidente irá discutir sobre acordos técnicos com país e seu papel nas negociações internacionais

EFE

13 Maio 2010 | 10h08

 

MOSCOU - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega nesta quinta-feira, 13, à Rússia em visita oficial para impulsionar a cooperação bilateral e as reformas da ONU e do sistema financeiro Internacional.

 

Veja também:

linkPremiê da Turquia ainda não sabe se encontrará Lula no Irã

linkSarkozy incentiva Lula a buscar diálogo em Teerã

 

Lula se reunirá amanhã no Kremlin com o presidente russo, Dmitri Medvedev, e depois na Casa Branca com o primeiro-ministro, Vladimir Putin.

 

O líder brasileiro vai falar com os dirigentes russos sobre o chamado Plano de Ação da Associação Estratégica assinado recentemente por ambos os países.

 

Também será abordada a possibilidade de utilizar divisas locais na troca comercial e a reforma do Conselho de Segurança da ONU, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial.

 

Após a reunião com Medvedev, se assinarão vários acordos e memorandos, entre eles um programa de cooperação técnico-científico para 2010-2012, um acordo de cooperação em segurança da informação e outro de cooperação técnico-militar, e se emitirá uma declaração política conjunta.

 

Conforme as agências russas, Lula abordará com Medvedev e Putin a crise nuclear com o Irã, país ao que o líder brasileiro viajará no domingo para se reunir com seu presidente, Mahmoud Ahmadinejad.

 

Lula se ofereceu para mediar entre Teerã e Ocidente para evitar a imposição de sanções, ao tempo que a persuadir ao Irã que coopere com a comunidade internacional à hora de dissipar as suspeitas que seu programa nuclear tem fins militares.

 

Lula já visitou Rússia em agosto de 2009 para participar da primeira cúpula formal do grupo Bric (Brasil, Rússia, a Índia e China), que advoga por um sistema de divisas mais diversificado, estável e previsível.

 

No mês passado, durante a segunda cúpula do Bric em Brasília, Lula se reuniu com Medvedev, que efetuava então sua segunda viagem latino-americana desde que chegou ao Kremlin em maio de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.