Máfia ameaçou matar família de Berlusconi por controle de TV

Jornal afirma que Cosa Nostra queria um dos canais do primeiro-ministro italiano no começo dos anos 1990

Efe,

03 de julho de 2009 | 11h49

A Cosa Nostra, a máfia siciliana, ameaçou matar familiares de Silvio Berlusconi no final da década de 80 e começo dos anos 90 se o atual primeiro-ministro italiano não colocasse a sua disposição um dos canais de seu grupo televisivo, o Mediaset, informa a edição desta sexta-feira, 3, do jornal La Repubblica.

 

A ameaça foi feita, aparentemente, por quem foi o grande chefão da Cosa Nostra e que atualmente cumpre pena de prisão perpétua, Salvatore "Totó" Riina. Ela foi feita em carta e que foi encontrada agora na garagem de Massimo Ciancimino, em Palermo, condenado por lavagem de dinheiro.

 

Massimo Ciancimino é filho do democrata-cristão Vito Ciancimino, morto em 2002, que foi prefeito de Palermo e condenado por pertencer à associação mafiosa e conivência com a Cosa Nostra siciliana.

 

A carta, segundo as fontes, não está completa, já que falta a parte na qual se escreve tanto o remetente como o destinatário, mas na mesma, "é pedido a Berlusconi que ponha a sua disposição (da Cosa Nostra) uma de suas emissoras de televisão". O La Repubblica acrescenta que se desconhece se a carta chegou a Berlusconi, mas ressalta que, antes de entrar para a política, o atual primeiro-ministro recebeu ameaças de morte.

Tudo o que sabemos sobre:
Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.