Mafioso desmente ligação de Berlusconi com a Cosa Nostra

Filippo Graviano nega que tenha pedido facilidades na Justiça em troca de ajuda eleitoral a premiê em 1994

Efe,

11 de dezembro de 2009 | 12h12

O mafioso Filippo Graviano, que junto com seu irmão Giuseppe lidera o núcleo duro da Cosa Nostra, disse em depoimento nesta sexta-feira, 11, que não conhece o senador Marcello Dell'Utri, apontado por um ex-membro do clã siciliano como o elo do premiê Silvio Berlusconi com a máfia.  

 

Veja também:

blog Blog do Jamil Chade: Máfia, uma indústria de 70 bilhões de euros

 

Graviano falou à Justiça italiana por meio de uma videoconferência após um de seus antigos colaboradores, Gaspare Spatuzza assegurar que existia uma relação entre Berlusconi e a máfia em uma audiência no último dia 4.

"Não conheci Dell'Utri nem direta nem indiretamente", disse Graviano sobre o senador do partido de Berlusconi, tido por Spatuzza como a mão direita do premiê nas relações com a máfia em março de 1994. Graviano foi interrogado pelo juiz Claudio Dell'Acqua, presidente do Tribunal de Apelação de Palermo.

Em seu depoimento, Spatuzza assegurou que Berlusconi negociava um acordo eleitoral com o clã em troca ajudaria nos problemas dos mafiosos com a Justiça. E que Dell'Utri foi intermediário da negociação.

Graviano desmentiu que tenha pedido ajuda quando foi preso em 1994. "Teria de cumpri quatro meses apenas. Para que precisava de ajuda"?, contestou o capo.

O outro irmão Graviano, Giuseppe, tido como o chefe do clã, se negou a depor e manteve-se em silêncio. Por meio de uma carta, ele alegou más condições de saúde e as atribuiu ao duro regime de prisão ao qual é submetido.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliamáfiaCosa NostraBerlusconi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.