Mais de 1,3 milhão de britânicos pedem novo referendo sobre UE

Mais de 1,3 milhão de britânicos pedem novo referendo sobre UE

Grande número de acessos à petição tirou do ar site do Parlamento britânico; de acordo com regra da casa, qualquer petição com mais de 100 mil assinaturas é levada a debate

O Estado de S.Paulo

25 Junho 2016 | 10h01

LONDRES - Uma petição online reivindicando um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da Europa já reuniu quase 1,4 milhão de assinaturas, demonstrando a expressiva divisão da população britânica na votação realizada na última quinta-feira (23).

O grande número de acessos à petição, hospedada no website do Parlamento britânico, acabou fazendo com que o site entrasse em colapso. De acordo com o Parlamento, qualquer petição com mais de 100 mil assinaturas será levada a debate na casa.

No curto prazo, contudo, demandas por uma nova votação têm poucas chances de serem acatadas, tendo em vista que os votos pela saída do Reino Unido do bloco europeu superaram em mais de 1 milhão aqueles que optaram pela permanência dos britânicos na UE. 

Resposta da UE. Ministros de Relações Exteriores de seis nações fundadoras da União Europeia reivindicaram neste sábado que o Reino Unido tome as providências para deixar o bloco europeu "o mais rápido possível". Representantes da França, Alemanha, Itália, Holanda, Bélgica e Luxemburgo, que se reuniram em Berlim, afirmaram que o governo britânico precisa implementar rapidamente o artigo 50 do tratado da UE, que trata da saída de um membro, para que o bloco siga em frente normalmente.

"Estamos prontos para trabalhar com as instituições responsáveis tão logo as negociações para definir e esclarecer o futuro das relações entre União Europeia e Reino Unido tenham início", afirmaram as lideranças em comunicado conjunto.

Brexit. Na última quinta-feira, em um referendo histórico com mobilização recorde do eleitorado, superior a 70%, o Reino Unido decidiu deixar a União Europeia (UE). No início da madrugada, com a divulgação dos resultados ainda parciais, bolsas de valores da Ásia desabaram e a libra esterlina caía ao menor valor frente ao dólar desde 1985 como reação à vitória do “Brexit” – a saída britânica.

Derrotado no plebiscito, o premiê David Cameron anuciou a sua renúncia logo após o resultado. Segundo ele, o referendo foi um "exercício gigante de democracia" e que a vontade do povo britânico deve ser respeitada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.