Mais de 200 pessoas são presas por protestos em Londres

Manifestações violentas ocorrem em plena luz do dia desde sábado e se espalham pela capital

Reuters

08 de agosto de 2011 | 13h37

Atualizado às 16h15

 

Manifestantes invadiram lojas em busca de objetos para atirar na polícia

 

LONDRES - Mais de 200 pessoas foram detidas em Londres devido aos protestos violentos que tomaram conta de algumas regiões da cidade desde o início das revoltas, informaram as autoridades britânicas nesta segunda-feira, 8. Os enfrentamentos entre a polícia  e jovens que protestam contra a morte de um vigilante de 29 anos entraram no terceiro dia.

 

Veja também:

video Acompanhe os enfrentamentos ao vivo (imagens da BBC)

mais imagens GALERIA: Veja imagens da violência em Londres 

linkPolícia promete grande ação contra a violência

 

Os manifestantes lançaram bombas contra as forças de segurança. Além disso, foram jogadas latas de lixo e carrinhos de supermercado na direção dos policiais, que por sua vez empurraram a multidão conforme tentavam isolar uma área ao redor da estação Hackney Central, mostrou a televisão ao vivo. Alguns manifestantes invadiram lojas, aparentemente para buscar objetos que pudessem jogar na polícia.

 

Os distúrbios tiveram início em Tottenham, no norte da capital, mas desde então tem se alastrado para outras regiões da cidade. Houve registros de conflitos também no leste e no centro de Londres. Pelo menos um prédio estava em chamas no distrito de Peckham, na região sul, de acordo com imagens mostradas pela televisão local.

 

Os manifestantes afirmam que os protestos tiveram início depois de um vigia ter sido morto a tiros pela polícia, mas há quem acredite que o crescente desemprego e a oportunidade para saquear lojas foram o estopim do movimento. A polícia e políticos britânicos insistem que a desordem, que cresce em Londres um ano antes de a cidade sediar a Olimpíada de 2012, é fruto da agitação de "uma minoria criminosa" e não reflete tensões sociais.

 

A secretária do Interior, Theresa May, retornou de uma viagem que fazia por ocasião de um feriado para uma reunião de urgência com Tim Godwin, comissário da Polícia Metropolitana, e outros oficiais. Ela condenou as revoltas e disse que os responsáveis "enfrentarão as consequências de suas ações". "As rebeliões em Tottenham e os distúrbios subsequentes são totalmente inaceitáveis", declarou.

 

A polícia informou que mais de 215 pessoas foram presas desde a noite do sábado, quanto a revolta teve início, e 25 delas já foram acusadas. Além disso, 35 policiais ficaram feridos. "Isso passou de um problema local para a criminalidade organizada", disse Steve Kavanagh, subcomissário da polícia local, que também anunciou uma "investigação momentânea". "Temos certeza que esses episódios não vão continuar", afirmou ao canal Sky News.

 

Organização

 

De acordo com as imagens mostradas pela televisão, os grupos que enfrentaram as forças de segurança eram pequenos e compostos de jovens que cobriam os rostos com roupas. Eles teriam usado as redes sociais e mensagens de celular para se organizar. Um dos recados verificados pela polícia chamava o jovens londrinos a "causar confusão e pegar coisas de graça". As autoridades estão monitorando o Twitter e outros sites.

 

O bairro de Tottenham é uma área empobrecida, etnicamente diversificada e com histórico de revoltas. O local foi palco das rebeliões de 1985, que levaram à morte de um policial e deixaram quase 60 feridos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.