Mantega elogia Strauss-Khan e pede continuidade no FMI

Francês é considerado pelo ministro da Fazenda um 'dos melhores diretores-gerentes' que o organismo multilateral já teve

Efe,

18 de maio de 2011 | 03h23

SÃO PAULO - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta terça-feira, 17, que espera que o caso que envolve o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, acusado de tentativa de estupro nos Estados Unidos, se resolva "de forma propícia" para que o francês possa continuar no cargo.

 

Desta forma, Mantega demonstrou apoio contundente a Strauss-Khan, considerado por ele um "dos melhores diretores-gerentes" que o organismo multilateral já teve.

"Estou torcendo para que esta situação se resolva e ele continue à frente da instituição", acrescentou o ministro.

 

Mantega disse ainda que Strauss-Khan se mostrara propício a que o nome à frente do FMI não fosse necessariamente de origem europeia, como é tradição no organismo.

 

As declarações de Mantega acontecem depois de o secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, ter defendido a renúncia de Strauss-Kahn, que, segundo sua opinião, "não está em condições" de liderar o organismo.

 

O FMI, com sede em Washington, indicou no domingo que o "número dois" da instituição, o americano John Lipsky, assumiria temporariamente o cargo de Strauss-Kahn como parte de seu protocolo de funcionamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.