Marinha russa quer manter base na Ucrânia

Um alto-oficial da Marinharussa disse na segunda-feira que Moscou pretende manter suabase naval em Sebastopol (porto ucraniano no mar Negro), eculpou políticos da Ucrânia por questionarem essa hipótese. Sebastopol, na península da Criméia, abriga a frota russado mar Negro há 225 anos, embora o pró-ocidental presidente daUcrânia, Viktor Yushchenko, já tenha se manifestado contra arenovação da concessão, que vence em 2017.A Marinha russa poderia transferir as operações para uma outrabase que está em construção, mas esta é menos adequada do queSebastopol, segundo o contra-almirante Andrei Baranov,subcomandante da frota do Mar Negro. "Eu pessoalmente não irei embora, nem nossos navios. Toda adecisão cabe ao nosso comandante-chefe [o presidente DmitryMedvedev]. Não estamos planejando ir, de qualquer forma. Não háopções", disse o militar. Ele criticou as autoridades ucranianas por supostamenteusarem a base naval como questão política. "É claro, é um fatormuito vantajoso para eles, assentar seus interesses políticosespeculando sobre a nossa presença aqui", disse ele ajornalistas. O debate sobre a presença naval russa em territórioucraniano se intensificou depois da recente intervenção militarda Rússia na vizinha Geórgia, para proteger a regiãoseparatista da Ossétia do Sul. Agora, há discussões sobre o latente sentimento russófilona Criméia, uma região onde há grande população de origem russae que só foi transferida à Ucrânia somente em 1954, durante operíodo soviético. Políticos nacionalistas russos periodicamente exigem adevolução de Sebastopol à Rússia, embora o Kremlin desautorizetais declarações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.