Marinheiros gregos encerram greve por ordem do governo

Navios gregos voltaram a zarpar nesta quarta-feira dos movimentados portos de Pireus e Rafina, depois de uma ordem do governo para que os marinheiros encerrassem uma greve de seis dias que deixou dezenas de ilhas isoladas do continente, com escassez de alimentos.

Reuters

06 de fevereiro de 2013 | 10h03

Ávido por mostrar a credores internacionais que está enfrentando os poderosos sindicatos e mantendo as odiadas reformas e cortes salariais, o governo do primeiro-ministro Antonis Samaras usou pela segunda vez em duas semanas os seus poderes para dissolver uma greve.

O ministro da Navegação, Costis Mousouroulis, assinou a ordem na terça-feira à noite, e agentes da guarda costeira ameaçaram prender os grevistas que a desrespeitassem.

Em nota, o sindicato naval PNO disse que a ordem é "antidemocrática e inconstitucional", e prometeu uma nova paralisação quando um projeto de lei que enfraquece seu sindicato for enviado ao Parlamento.

Os marinheiros exigem o pagamento de vários meses de salários atrasados e o arquivamento do projeto de lei. Na quarta-feira, eles planejam fazer uma passeata até a sede do Ministério da Navegação.

O PNO tem mais influência sobre as linhas marítimas de passageiros do que sobre as embarcações oceânicas de carga.

Antes da proibição governamental da greve, os marinheiros planejavam mais 48 horas de paralisação.

Uma lei grega proíbe paralisações em caso de distúrbios civis, desastres naturais ou risco à saúde pública. Ela já havia sido evocada no mês passado para encerrar uma greve de nove dias no metrô de Atenas.

(Reportagem de John Kolesidis)

Tudo o que sabemos sobre:
GRECIAMARINHEIROSGREVEFIM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.