Massacre em escola na Finlândia deixa ao menos 11 mortos

Estudante de 22 anos, autor dos disparos, foi interrogado por vídeo com armas no YouTube na segunda-feira

Agências internacionais,

23 de setembro de 2008 | 13h24

Um aluno de 22 anos matou pelo menos 10 pessoas numa escola na pequena cidade de Kauhajoki, no oeste da Finlândia, nesta terça-feira, 23. O autor dos disparos foi identificado como Matti Juhani Saari, que morreu poucas horas depois de cometer o massacre. Segundo informações da ministra do Interior finlandesa, Anne Holmlunud, o jovem chegou a ser interrogado pela polícia na segunda, véspera do ataque, por conta de um vídeo publicado por ele no YouTube praticando tiro.   Veja também: Cronologia dos ataques contra escolas Veja as imagens do atirador  Assista ao vídeo feito pelo atirador na internet    Saari colocou na semana passada, com o usuário Wumpscut86, as imagens na internet em que pratica tiro ao alvo. Em novembro, outro jovem armado matou oito pessoas em um episódio semelhante na escola secundária de Tuusula, no sul da Finlândia, no primeiro incidente do tipo no país. Antes do incidente, o atirador postou diversas mensagens no site YouTube, em que indicava uma fascinação por armas e por uma ideologia de extrema-direita. O vídeo foi postado cinco dias antes do tiroteio e inclui a mensagem "a vida toda é uma guerra e a vida toda é uma dor. E lutarei sozinho na minha guerra pessoal". O jovem entrou no YouTube apenas duas horas antes do ataque. Em seu perfil de usuário, se descrevia como um jovem interessado em "computadores, armas, sexo e cerveja", com predileção pelos filmes de terror.   O primeiro-ministro finlandês, Matti Vanhanen, afirmou que o responsável pela violência era um estudante do local. A ministra do Interior, Anne Holmlunud disse em uma coletiva de imprensa que a polícia foi alertada sobre o vídeo, mas não foi possível entrar em contato com ele imediatamente. "A polícia chegou a ele na segunda-feira, 22 de setembro, e pediu para interrogá-lo sobre o vídeo", disse Holmlund. Ela disse que o atirador tinha uma permissão temporária para ter a pistola calibre 22, mas a licença não foi retirada. "A ação policial será examinada em detalhe mais tarde. O atirador tinha uma licença temporária para ter uma pistola calibre 22 e ele a recebeu em agosto de 2008. Era sua primeira arma".     O jovem abriu fogo indiscriminadamente por volta das 11h (5h de Brasília). O diretor do colégio, Tapio Varmola, disse que havia 150 estudantes no local. Segundo ele, os disparos começaram em uma sala na qual 20 pessoas faziam uma prova. Segundo informações da BBC, um homem usando uma máscara de esqui foi visto entrando no edifício carregando uma bolsa, de acordo com a rádio nacional YLE. Os tiros foram disparados pouco depois, e surgiram os relatos de que havia várias pessoas seriamente feridas. O zelador da escola Jukka Forsberg, disse à TV finlandesa que "num curto espaço de tempo eu ouvi dezenas de tiros sendo disparados, em outras palavras, era uma arma automática". "Eu vi algumas estudantes mulheres que estavam gritando e chorando, e uma delas conseguiu escapar pelas portas dos fundos."   A polícia ordenou a evacuação do prédio e pediu reforços, mas demorou algum tempo até conseguir capturar e desarmar o jovem. Após uma tentativa de suicídio, o atirador foi levado em estado crítico para um hospital de Tampere com um tiro na cabeça, informou a polícia local, onde faleceu horas depois.   Desde que o primeiro atirador cometeu o ataque em Tuusula, matando oito pessoas, a Finlândia decidiu endurecer sua política para compra de armas, propondo que menores de 18 anos só pudessem usar uma arma sob monitoramento de pais ou de adultos. Até então, o país resistia a planos da União Européia (UE) de limitar a posse de armas para maiores de 18 anos. Hoje, já a partir de 15 anos, os finlandeses têm direito de possuir e usar armas sozinhos. Na Finlândia, onde a caça é um hobby comum, de cada 3 habitantes, um tem arma. É a terceira maior quantidade de armas per capita do mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
Finlândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.