Medvedev anuncia nova etapa de relações Rússia-Otan

Presidente atribiu fato a iniciativa da aliança de querer 'abrir uma nova página de relações' entre as partes

Efe,

16 de dezembro de 2009 | 12h41

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, anunciou nesta quarta-feira, 16, uma nova etapa nas relações entre a Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), durante uma reunião com o secretário-geral da Aliança, Anders Fogh Rasmussen.

 

"Nesta quarta, após uma série de encontros e decisões que foram adotadas, passamos a um novo nível de relações", disse Medvedev, durante encontro com o dinamarquês Rasmussen, citado pelas agências russas.

 

Medvedev atribuiu grande parte do mérito do início desta nova etapa a Rasmussen por declarar, logo após assumir o cargo de chefe da Aliança que queria abrir uma nova página na cooperação política e militar com a Rússia.

 

O chefe de Estado russo expressou sua esperança de que, após a primeira visita de Rasmussen a Moscou, as relações bilaterais com a organização militar "sejam mais sólidas e produtivas". As relações entre as duas partes tiveram diferentes fases, com o estabelecimento formal de relações, uma vez superada a etapa da Guerra Fria, lembrou.

 

Medvedev também lembrou as tensões que surgiram após a guerra russo-georgiana pelo controle da separatista Ossétia do Sul, em agosto de 2008, após o que foi congelada a cooperação bilateral. Segundo ele, a Rússia e a Aliança têm muitos temas em comum, como a luta contra o terrorismo, o narcotráfico e outras ameaças. "O número de ameaças não diminuiu, mas aumentou. Quem podia imaginar que se poderia reagir em conjunto a um problema como a pirataria", acrescentou.

 

Rasmussen disse que veio a Moscou para confirmar que uma de suas principais prioridades como secretário-geral da Aliança é "reforçar a cooperação com a Rússia e fazer tudo o possível para que as relações se baseiem em uma profunda confiança". "Certamente, temos divergências em alguns assuntos, mas, apesar de tudo, parece que existe potencial para o fortalecimento da cooperação, especialmente naquelas direções onde temos ameaças comuns", disse.

 

Rasmussen destacou também que a cooperação com a Otan no Afeganistão é vital para Moscou, já que seria muito perigoso se esse país se transformasse novamente em refúgio seguro para o terrorismo, que se propagaria pela Rússia através da Ásia Central.

 

Justamente, a cooperação para a estabilização do Afeganistão é uma das prioridades da agenda da visita de Rasmussen, que se reunirá também com o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin.

 

A Otan acredita que a Rússia pode fazer muito mais no Afeganistão, tanto na formação de soldados e policiais locais, como oferecendo helicópteros de transporte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.