Medvedev concede 1ª entrevista a jornal crítico do Kremlin

'Novaya Gazeta' desafia o governo em temas como direitos humanos, liberdade de expressão e democracia

Agência Estado e Associated Press,

15 de abril de 2009 | 10h45

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, escolheu a Novaya Gazeta, um dos periódicos mais críticos do Kremlin, para conceder sua primeira entrevista exclusiva a um jornal do país desde que assumiu o cargo. Apesar de a entrevista publicada nesta quarta-feira, 15, nas páginas do jornal não trazer nenhuma nova informação de grande relevância, o fato de Medvedev ter escolhido a Novaya Gazeta é carregado de simbolismo.

 

O periódico constantemente desafia o Kremlin em temas como respeito aos direitos humanos, liberdade de expressão e um suposto retrocesso da democracia na Rússia. Quatro jornalistas da Novaya Gazeta foram assassinados ou morreram em circunstâncias misteriosas no decorrer da última década.

 

Medvedev reuniu-se em particular com os editores do jornal depois do último crime, em janeiro, quando a repórter Anastasia Barburova foi baleada em Moscou quando andava na rua ao lado de um advogado, que também foi morto. Alguns observadores suspeitam que haja ligação entre os serviços de segurança russos e as mortes, que não foram abordadas na entrevista.

 

Medvedev, que assumiu a presidência russa em maio último, não diverge muito das políticas de seu antecessor, o hoje primeiro-ministro Vladimir Putin, mas apresenta-se como um líder mais conciliador e enfatiza a importância do império da lei e da melhora dos serviços sociais. Questionado sobre o que faria para "reabilitar a democracia" na Rússia, Medvedev respondeu que isso não é necessário. "A democracia existiu, existe e continuará existindo", respondeu ele.

 

Medvedev disse ter a sensação de que muitos russos sentem-se desconfortáveis com o conceito ocidental de democracia, pois o associam aos turbulentos primeiros anos do período pós-soviético "Para muitos de nossos cidadãos, os difíceis processos políticos - e mais importante ainda, os econômicos - da década de 1990 estão diretamente ligados ao advento das principais instituições democráticas de nosso país. E foi um período muito difícil para essas pessoas. Isto marcou o entendimento delas sobre o termo", explicou.

 

Sobre a recente exclusão de candidatos da recente eleição municipal de Sochi, entre eles o magnata Alexander Lebedev, dono de 49% da Novaya Gazeta junto com o ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev, Medvedev observou: "Em eleições haverá sempre candidatos derrotados, candidatos desqualificados... É assim no mundo inteiro. Mas no geral eu considerado que campanhas assim vívidas são boas para a democracia".

Tudo o que sabemos sobre:
Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.