Medvedev descarta luta pela Presidência com Putin

Presidente russo explica: 'Vladimir Putin um velho amigo. Juntos representamos a mesma força política. E, portanto, se nos confrontarmos seria prejudicial para as tarefas e para os objetivos que temos pela frente'

Efe,

20 de junho de 2011 | 05h11

LONDRES - O presidente russo, Dmitri Medvedev, não nega que ele gostaria de passar por um segundo mandato à frente do país, mas descarta uma luta por esse posto com seu antecessor e hoje primeiro-ministro, Vladimir Putin.

 

Em uma entrevista ao Financial Times, Medvedev assinala que se cumprisse seu desejo, introduziria um sistema político mais competitivo, algo essencial, segundo ele, para realizar a modernização econômica que deseja para o país.

 

"A concorrência política é necessária para o desenvolvimento econômico", afirma o presidente russo, segundo o qual seria preciso eliminar certos elementos da democracia "dirigida" e de um sistema econômico dominado pelo Estado.

 

Medvedev insiste que, apesar de certos sinais de desacordo entre ele e Putin, "seria totalmente inadequado afirmar que há um distanciamento crescente" entre ambos políticos.

 

Segundo Medvedev, seria "difícil de imaginar" que ele e Putin competissem no próximo ano pela Presidência do país.

 

"Vadimir Putin e eu - e Vladimir Putin é meu colega e um velho amigo - representamos em boa medida a mesma força política. E portanto se nos confrontarmos seria prejudicial para as tarefas e para os objetivos que temos pela frente", explica.

 

Medvedev se mostra contrário a um sistema de "capitalismo autoritário" ao assinalar que "em alguns países se dá uma coexistência bastante bem-sucedida entre economia de mercado e limitada competição política. Mas isso não é para nós".

 

Segundo o Financial Times, em sua entrevista, apesar de negar diferenças com Putin, Medvedev se posiciona como um enérgico crítico do capitalismo de Estado que marcou a Presidência de seu antecessor.

 

Ao mesmo tempo, se pronuncia pelas auto-regulações da economia embora reconheça que os maiores obstáculos para a aplicação de sua política estão na mentalidade dos burocratas.

 

"Nosso principal inimigo está em nós mesmos. Por diversas razões, o povo deste país depositou sempre suas esperanças em um czar favorável, no Estado, em Stalin, em seus dirigentes, mas não nele próprios", diz Medvedev, segundo o qual não se mudará essa mentalidade só assinando decretos.

 

Outra diferença com Putin é a política, escreve o jornal, pois enquanto a Rússia desenvolveu um sistema de "democracia dirigida", Medvedev defende uma forma de fazer política mais competitiva e descentralizada.

 

A terceira diferença entre ambos parece ser ideológica, comenta o jornal: Putin é um produto do sistema soviético quanto a mentalidade e reflexos políticos, mas Medvedev tinha 26 anos quando a União Soviética se afundou e passou a maior parte de sua vida no mundo pós-soviético.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.