Medvedev não facilitará as relações com o ocidente, diz Putin

Presidente russo afirma que sucessor continuará a defender ativamente os interesses da Rússia no mundo

Reuters,

08 de março de 2008 | 11h30

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou que a relação de seu país com o ocidente não ficará "mais fácil" depois que Dmitry Medvedev assumir a presidência. Segundo Putin, seu sucessor irá defender ativamente os interesses da Rússia no mundo. A afirmação foi feita durante encontro com a chanceler alemã, Angela Merkel, em Moscou neste sábado, 8.  Veja também:  Medvedev: um presidente à sombra de Putin Putin também disse ter a impressão de que alguns líderes mundiais estavam aguardando o fim de seu mandato, já que não se sentiam confortáveis de trabalhar com um ex-espião da KBG. A chanceler alemã tornou-se a primeira líder estrangeira a voar a Moscou para conversar com o próximo presidente da Rússia. Merkel avaliará as perspectivas para uma eventual mudança na política do presidente eleito, que será empossado em maio, em relação ao antecessor, o atual presidente Vladmir Putin.  Durante esse sábado, Putin e Medvedev receberão Merkel separadamente e discutirão tópicos como Irã, Kosovo, o fornecimento de gás à Europa e a expansão do comércio bilateral. "Os líderes irão discutir as relações russo-germânicas com ênfase em garantir a continuidade e o futuro desenvolvimento dos laços", disse uma importante autoridade do Kremlin, sem ser identificado, à agência Itar-Tass. A líder alemã também deve conversar sobre a eleição presidencial russa, que observadores e grupos da oposição criticaram como sendo injusta. Putin diz que o pleito foi conduzido em pleno acordo com a constituição do país.  A Alemanha é de longe o maior parceiro comercial da Rússia, com um recorde de US$ 52,8 bilhões no comércio bilateral em 2007. Empresas alemãs investiram US$ 3,4 bilhões na Rússia no ano passado e possuem importantes investimentos no setor energético daquele país.var keywords = "";

Tudo o que sabemos sobre:
Vladimir PutinMedvedev

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.