Mensagens de ódio religioso colocam França em alerta

As autoridades francesas vão aumentar a fiscalização contra as mensagens de ódio étnico-religioso que possam ser difundidas por rádio, TV e Internet por causa da guerra de Gaza, disse o primeiro-ministro François Fillon na sexta-feira. A França tem registrado um aumento em incidentes desse tipo, especialmente antissemitas, desde o início da ofensiva israelense contra a Faixa de Gaza, que deixou mais de 1.100 mortos em três semanas. Nesse período, 13 israelenses morreram. "Basta uma olhada superficial na Internet para encontrar blogs (...) com mensagens de incrível violência, seja contra Israel ou contra os palestinos", disse Fillon após uma reunião ministerial sobre o racismo e o antissemitismo. Ele disse ter pedido à CSA (agência reguladora das telecomunicações) e a um especialista em liberdade de expressão na Internet que realizem uma fiscalização mais intensa do que é publicado. Ele disse também que caberá à Justiça punir eventuais crimes de ódio. Na sexta-feira, a Venezuela disse que a fachada da sua embaixada em Paris foi atacada no começo da semana por vândalos que quebraram vidraças e picharam a frase "Israel vencerá". Caracas rompeu relações com Israel por causa da guerra. O ministério do Interior disse que na quinta-feira um jovem judeu foi apunhalado por dois homens mascarados que roubaram seu carro na periferia da capital. (Reportagem de Sophie Louet e Gerard Bon)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.