Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Merkel chega à Rússia para encontro com Medvedev

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel,tornou-se a primeira líder estrangeira a voar a Moscou paraconversas, neste sábado, com o próximo presidente da Rússia,Dmitry Medvedev, e esperava-se dela que manifestassepreocupações sobre a retidão das eleições que ele venceu. Merkel avaliará ainda as perspectivas para uma eventualmudança na política do presidente eleito, que será empossado emmaio, em relação ao antecessor, o atual presidente VladmirPutin. Putin e Medvedev receberão Merkel separadamente ediscutirão tópicos como Irã, Kosovo, o fornecimento de gás àEuropa e a expansão do comércio bilateral. "Os líderes irão discutir as relações russo-germânicas comênfase em garantir a continuidade e o futuro desenvolvimentodos laços", disse uma importante autoridade do Kremlin, sem seridentificado, à agência Itar-Tass. A líder alemã também deve conversar francamente sobre umaeleição que observadores e grupos da oposição criticaram comosendo injusta. Putin diz que o pleito foi conduzido em plenoacordo com a constituição russa. "A chanceler certamente irá abordar a conduta da eleição,que nós vemos como crítica", disse o porta-voz Ulrich Wilhelm. O relacionamento entre Medvedev e Merkel, uma física daex-Alemanha Oriental que fala russo, deve desempenhar um papeldecisivo nas relações entre os dois países e com a UniãoEuropéia. Merkel, que no passado repreendeu Putin por violações aosdireitos humanos, tem também buscado aumentar o comércio com aeconomia crescente da Rússia e atuar como mediadora entreMoscou, Washington e os parceiros da Rússia na União Européia. A Alemanha é de longe o maior parceiro comercial da Rússia,com um recorde de 52,8 bilhões de dólares no comércio bilateralem 2007. Empresas alemãs investiram 3,4 bilhões de dólares naRússia no ano passado e possuem importantes investimentos nosetor energético daquele país. A Ruhrgas tem uma fatia de 6 por cento na gigante russaGazprom, do setor de gás, e o grupo de dutos de gásrusso-germânico Nord Stream está construindo um duto submarinode bilhões de dólares que levará o produto da Rússia à EuropaOcidental. Espera-se em Berlim que a eleição de Medvedev possaintroduzir uma mudança nas relações com a Rússia, depois deconflitos com Putin a respeito da independência do Kosovo e deplanos dos EUA de construir um escudo de mísseis na EuropaCentral. Merkel tem sido mais crítica a Putin do que seu antecessor,Gerhard Schroeder, mas está muito ciente da dependência daAlemanha em relação à energia da Rússia e do papel de Moscou emdisputas internacionais, como o caso do Irã. (Reportagem adicional de Kerstin Gehmlich e Noah Barkin)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.