Merkel critica Rússia e Medvedev pede fim da Otan

Alemã condenou intervenção no Cáucaso; russo pediu fim de aliança militar 'ultrapassada'

AP

02 de outubro de 2008 | 15h33

A chanceler alemã, Angela Merkel, condenou a conduta russa durante a crise com a Geórgia e disse ao presidente Dmitri Medvedev que a integridade territorial da ex-república soviética, que é apoiada pelos países ocidentais é inegociável. Os dois líderes 'se encontraram em uma conferência bilateral anual em São Petersburgo, na Rússia. Merkel classificou esta medida de inaceitável e que espera a intervenção de mediadores internacionais para resolver a questão até a metade deste mês."acreditamos que a reação russa durante a crise foi inapropriada", afirmou.Medvedev, por sua vez, insistiu que fez o que considerava certo na intervenção. O presidente russo disse que a guerra evidenciou a necessidade de um novo sistema de segurança na Europa. O líder classificou a expansão da Otan rumo ao leste europeu e às ex-repúblicas soviéticas como ultrapassadas. As nações ocidentais responderam com frieza à proposta russa, mas Medvedev espera que a proposta prospere. "Talvez alguns gostem de dividir o mundo entre aliados e inimigos, entre os que estão certo e os que estão errados, mas aqui na Rússia acreditamos que este tempo acabou", disse.Merkel passou apenas um dia na cúpula, ao contrário dos dois tradicionais. A reunião tratou também da crise financeira mundial.Moscou reconheceu a independência da província pró-russa da Ossétia do Sul depois de uma intervenção armada na região e anunciou que vai manter 7,6 mil soldados na Ossétia e em outra província separatista da Geórgia, a Abkházia.

Tudo o que sabemos sobre:
alemanharússiageórgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.