Merkel defende o armamento de curdos e diz que grupo islâmico é ameaça à Europa

A chanceler alemã defendeu a decisão de seu governo de romper um tabu e enviar armas a militantes

REUTERS

01 de setembro de 2014 | 10h57

A chanceler alemã, Angela Merkel defendeu a decisão de seu governo de romper um tabu e enviar armas para militantes curdos que lutam contra o Estado Islâmico no Iraque e também qualificou essa organização como uma grande ameaça à segurança da Alemanha e da Europa.

"A desestabilização de longo alcance de toda uma região afeta a Alemanha e a Europa", disse Merkel em um discurso no Parlamento nesta segunda-feira, um dia depois de o governo alemão publicar uma lista de armas, incluindo metralhadoras e granadas de mão, que vai enviar para os curdos iraquianos.

"Senhoras e senhores, quando terroristas tomam o controle de um vasto território para dar a si mesmos e outros fanáticos base para seus atos de terror, então o perigo aumenta para nós, então nossos interesses no campo da segurança são afetados", acrescentou.

(Reportagem de Noah Barkin)

Mais conteúdo sobre:
ALEMANHAIRAQUECURDOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.