Merkel e Brown anunciam reunião da ONU pelo Afeganistão

Líderes convocam encontro para o fim do ano e dizem fazer pressão por um plano de segurança

Associated Press e Efe,

06 de setembro de 2009 | 16h02

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, anunciaram neste domingo, 6, a realização de uma conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) no fim do ano para tratar das questões de segurança do Afeganistão.

 

Veja também:

linkMerkel pede investigação sobre ataques da Otan no Afeganistão

linkAtaque aéreo da Otan mata 90 pessoas no Afeganistão

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

video Vídeo: Correspondente do 'Estado' fala do conflito no país

 

Durante um breve comparecimento diante da imprensa, ambos comentaram que pressionarão, junto ao presidente francês, Nicolas Sarkozy, para que um detalhado plano quinquenal seja elaborado, com o objetivo deque o governo afegão assuma gradualmente suas responsabilidades em matéria de segurança e de administração do país.

 

Investigação

 

A chanceler alemã também pediu uma "rápida" investigação sobre a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em relação aos ataques ordenados por seu país no norte do Afeganistão na última sexta-feira e um relatório sobre as mortes no bombardeio.

 

A líder alemã disse que "lamentaria profundamente" se algum civil foi morto no ataque e insistiu que o objetivo da missão das tropas alemãs no país é dar suporte e ganhar a confiança do povo afegão.

 

As autoridades afegãs dizem que 90 pessoas, incluindo 40 civis, morreram no bombardeio, que atingiu a província de Kunduz após militantes do Taleban roubarem dois caminhões-tanque e decidirem esvaziar os cargueiros. Os moradores da região se aglomeraram para tentar recolher parte do combustível. Foi neste momento que o ataque aéreo atingiu os caminhões, provocando uma grande explosão.

 

O bombardeio acontece na semana em que o chefe das tropas internacionais no país, o general Stanley McChrystal, tinha proposto revisar a estratégia no Afeganistão e dar prioridade à proteção da população civil frente aos insurgentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.