Merkel é reeleita chanceler pelo Parlamento alemão

Coalizão de centro-direita contará com 332 das 622 cadeiras do novo Bundestag, a Câmara Baixa alemã

Efe,

28 de outubro de 2009 | 09h53

A chanceler alemã, Angela Merkel, foi reeleita nesta quarta-feira, 28, pelo Parlamento federal para um segundo mandato, desta vez à frente de uma coalizão de governo de centro-direita. Merkel obteve 323 votos a favor, frente a 285 contra e quatro abstenções. No total, votaram 612 dos 622 deputados que formam o novo Bundestag (Câmara Baixa alemã).

 

Do total de deputados do novo Bundestag, que foi constituído na terça-feira, 332 correspondem à coalizão entre a União Democrata-Cristã (CDU) e sua ala bávara, a União Social-Cristã (CSU), mais o Partido Liberal (FDP). Após seu primeiro mandato à frente de uma grande coalizão com o Partido Social-Democrata (SPD), Merkel governará agora com seu aliado natural do FDP, cujo líder, Guido Westerwelle, ficará no cargo de vice-chanceler e ministro de Relações Exteriores.

 

Os liberais terão outros quatro ministérios (Economia, Saúde, Cooperação e Ajuda ao Desenvolvimento e Justiça), a CSU terá três (Defesa, Trânsito e Obras Públicas, e Agricultura), enquanto a CDU terá os outros sete, além da Chancelaria.

 

O cargo de maior relevância será o de ministro das Finanças, que será ocupado pelo até então ministro do Interior, Wolfgang Schäuble, da CDU, já que o ponto mais importante do pacto de coalizão entre as três formações diz respeito à parte fiscal e às reduções de impostos, como fórmula para combater a crise.

 

Um dos pontos-chave do acordo de coalizão prevê um alívio tributário gradual que começará em 21 bilhões de euros em 2010, para chegar a 24 bilhões de euros a partir de 2013, o que a própria Merkel admitiu como arriscado, devido à situação dos cofres públicos.

 

Com esta coalizão de centro-direita, Merkel repetirá um modelo que governou pela última vez de 1982 até 1998, nos 16 anos que marcaram a era de Helmut Kohl, o mentor político da atual chanceler.

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.