Merkel perde popularidade após reversão de política nuclear

A popularidade da chanceler alemã, Angela Merkel, registrou queda desde que ela reverteu sua política para a energia nuclear após o desastre na usina de Fukushima, no Japão, mostrou pesquisa publicada nesta quarta-feira.

REUTERS

30 de março de 2011 | 10h56

A pesquisa do instituto Forsa, para a revista Stern, mostrou queda de quatro pontos na popularidade de Merkel, para 55 por cento, um ponto atrás de Frank-Walter Steinmeier, líder do Partido Social-Democrata (SPD) no Parlamento, e vencido por Merkel na eleição de 2009.

Em levantamentos anteriores, Merkel aparecia na segunda posição, atrás de Karl-Theodor zu Guttenberg, o conservador ministro da Defesa que renunciou há um mês em meio a um escândalo de plágio.

Defensora histórica da energia nuclear e que fez campanha sob a promessa de ampliar a vida útil das usinas alemãs, Merkel mudou de curso abruptamente após o terremoto e tsunami que danificaram uma usina nuclear no Japão.

Neste mês, ela determinou o fechamento temporário de sete das mais antigas usinas da Alemanha e prometeu acelerar a mudança para a energia renovável.

A medida, tomada pouco antes de eleições estaduais, irritou membros de seu próprio partido e levou legendas da oposição a acusá-la comprometer suas visões históricas para ganhar votos.

A mudança parece ter impactado no resultado do partido de Merkel, a União Democrata-Cristã (CDU) no Estado de Baden-Wuerttemberg, no sul do país. Lá, a CDU perdeu o poder para uma coalizão entre verdes e social-democratas após a eleição de domingo, após o partido governista governar a região por quase seis décadas.

A pesquisa divulgada nesta quarta-feira ouviu 1.002 alemães nos dias 24 e 25 de março.

Um outro levantamento mostrou apoio para os verde, um partido contrário à energia nuclear e cuja popularidade tem disparado após o desastre no Japão, chegando a 21 por cento nas pesquisas nacionais, enquanto a CDU de Merkel tem 33 por cento e o SPD aparece com 25.

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAMERKELPOPULARIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.