Merkel termina em 2º lugar em debate eleitoral na Alemanha

Ex-chanceler Steinmeier foi considerado o vencedor e criticou políticas fiscais e nucleares da rival

Reuters,

14 de setembro de 2009 | 09h48

A imprensa alemã elogiou o social democrata Frank-Walter Steinmeier nesta segunda-feira, 14, por seu desempenho em debate na TV contra a chanceler Angela Merkel, mas afirmou que ambos pareciam felizes em compartilhar o poder novamente.

 

Steinmeier, cujo partido SPD está atrás dos conservadores de Merkel, segundo as pesquisas divulgadas duas semanas antes das eleições, pareceu relaxado e confiante enquanto atacava Merkel sobre as políticas nucleares e fiscais na noite de domingo.

 

Merkel deu sinais de irritação no início e teve reações impacientes com os moderadores que a pressionaram para ser mais combativa, lembrando-a que o debate é um "duelo" e não um "dueto".

 

Angela Merkel quer acabar com sua desajeitada "grande coalizão" com o SPD e formar um governo de centro direita com os democratas livres (FDP) depois da eleição de 27 de setembro - um resultado que pode ser ameaçado caso Steinmeier consiga diminuir a diferença.

 

"Steinmeier marca pontos contra Merkel", diz a manchete do jornal Handelsblatt. O tablóide conservador mais vendido, o Bild, colocou Steinmer como vencedor, mas afirmou que a natureza restrita do confronto sugeriu que os candidatos estarão felizes em trabalharem juntos novamente depois da eleição. "Essa discussão foi um sinal: nem Merkel ou Steinmer seriam contra manter a grande coalizão", escreveu o colunista do Bild Hugo Mueller-Vogg.

 

Pesquisas realizadas logo após o debate mostraram que os espectadores estão divididos sobre quem venceu o confronto, que foi acompanhado por 14,2 milhões de pessoas, contra 21 milhões em 2005 quando Merkel enfrentou o então chanceler Gerhard Schroeder.

 

Steinmer foi ministro de Relações Exteriores na coalizão de direita-esquerda de Merkel nos últimos quatro anos, e os rivais prefeririam evitar ataques agressivos durante a campanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.