Milhares de funcionários britânicos da saúde entram em greve por melhores salários

Milhares de funcionários britânicos da saúde entram em greve por melhores salários

O governo rejeitou pedidos do sindicato pelo aumento de 1% o no salário de enfermeiras, parteiras, equipe de ambulância

REUTERS

13 de outubro de 2014 | 08h29

Milhares de funcionários de saúde entraram em greve nesta segunda-feira na Grã-Bretanha contra o congelamento de salários, na primeira paralisação por rendimentos no sistema de saúde pública britânico em mais de 30 anos.

O governo rejeitou pedidos do sindicato pelo aumento de 1 por cento no salário de enfermeiras, parteiras, equipe de ambulância e de suporte no hospitais da Inglaterra e Irlanda do Norte.

Os funcionários de saúde realizam uma paralisação de quatro horas nesta segunda-feira, seguida de quatro dias em que não farão horas extras. Os sindicatos dizem que serviços de emergência não vão ser afetados, mas algumas consultas de rotina e outros serviços, sim.

Em defesa da posição do governo, o ministro da Saúde, Jeremy Hunt, disse que 55 por cento dos funcionários do sistema de saúde britânico já receberiam um aumento de 3 por cento por meio de uma progressão automática e que o país não possui os recursos para conceder algo além disso.

(Reportagem de Sarah Young)

Tudo o que sabemos sobre:
GRABRETANHAGREVESAUDE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.