Milhares de gregos protestam contra austeridade e lembram revolta de 1973

Dezenas de milhares de gregos tomaram as ruas da capital para uma passeata contra a política de austeridade nesta segunda-feira, num dos maiores protestos nos últimos anos para marcar o aniversário da sangrenta revolta estudantil de 1973 contra o governo militar.

REUTERS

17 Novembro 2014 | 19h44

Cerca de 40.000 estudantes, trabalhadores e aposentados exibindo bandeiras vermelhas e cantando "UE, FMI, fora" seguiram para a embaixada dos Estados Unidos, país que os manifestantes acusam de ter apoiado a ditadura militar (1967-74).

Confrontos ocorreram no fim da manifestação. A polícia disparou gás lacrimogêneo, e jovens atiravam pedras e garrafas plásticas.

Nos últimos anos, o alvo do protesto anual tem sido os cortes nos salários e nas aposentadorias impostos com o plano de socorro de 240 bilhões de euros da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Essas políticas são um desastre”, disse o dentista Panagiotis Viglas, de 68 anos. "Queremos eleições agora!"

A Grécia emergiu de um período de seis anos de recessão, mostraram estatísticas na semana passada. No entanto, a crise fez com que milhares perdessem o emprego, minando o padrão de vida.

(Reportagem de Deepa Babington, Lefteris Papadimas e Renee Maltezou)

Mais conteúdo sobre:
GRECIAPROTESTOAUSTERIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.