Milhares de manifestantes protestam contra o governo na Espanha

Milhares de espanhóis foram às ruas nosábado em Madri para protestar contra o governo, comprovandoque o grupo separatista basco ETA será uma questão importantenas eleições gerais de março. Os manifestantes fizeram uma passeata carregando bandeirasamarelas e vermelhas da Espanha e cartazes com dizeres como"Derrotaremos o ETA." Eles também gritaram palavras de ordempela renúncia do primeiro-ministro, José Luís RodríguezZapatero. Mais de 800 pessoas foram mortas pelo ETA em quase quatrodécadas de luta armada pela independência basca da Espanha. O protesto foi o primeiro organizado por vítimas do ETA, aAssociação das Vítimas do Terrorismo, desde que a Justiçaespanhola condenou 21 pessoas -- a maioria, marroquinos -- peloenvolvimento nos atentados de 11 de março de 2004 na capitalespanhola. Muitos membros do grupo das vítimas acreditam que o ETAestava envolvido nos atentados, que mataram 191 pessoas, mas otribunal nega a participação do grupo basco. O governo conservador no poder em março de 2004inicialmente responsabilizou o ETA pelos ataques, mas asinvestigações apontaram para extremista islâmicos. A Espanha sevoltou contra seus líderes e os tirou do poder três diasdepois, nas eleições. A manifestação não contou com a presença do líderconservador de oposição Mariano Rajoy, cujo Partido Popularestá em segundo lugar, depois dos socialistas, nas pesquisas deopinião. O governo tentou encontrar uma solução para a violência noPaís Basco através de negociações de paz com o ETA, mas nãoteve sucesso. As negociações foram interrompidas em dezembro,quando os rebeldes fizeram um ataque à bomba contra o aeroportode Madri, matando duas pessoas. Desde então, o governo vem realizando operações contra ogrupo, prendendo dezenas de suspeitos de envolvimento com osseparatistas. (Reportagem de Sonya Dowsett)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.