Milhares de nacionalistas extremistas protestam contra Putin

Milhares de nacionalistas marcharam vestidos de preto no centro de Moscou neste domingo, marcando o "Dia da Unidade Nacional", feriado criado pelo presidente Vladimir Putin, e pedindo o fim do seu governo e gritando frases hostis a minorias étnicas.

Reuters

04 de novembro de 2012 | 14h20

Putin instituiu o feriado em 2005 para substituir a celebração anual da revolução bolchevique, ainda na era soviética. Mas ativistas dizem que o flerte dele com o nacionalismo étnico tem causado um crescimento na violência de extrema direita, e Putin é em parte culpado pela utilização da data pelos militantes linha dura.

Os participantes do protesto, em sua maioria homens jovens com cabelos raspados e jaquetas de couro pretas, gritavam "Rússia sem Putin" e slogans anti-imigrantes, carregavam ícones ortodoxos, levavam bandeiras imperiais e clamavam "Rússia para os russos".

Segundo a polícia, seis mil pessoas participaram do protesto, que teve pela primeira vez autorização oficial para marchar pelo coração de Moscou.

(Por Anastasia Gorelova e Alissa de Carbonnel)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAPROTESTOSPUTIN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.