Milhares fazem protesto contra morte de político na Espanha

Ato reuniu vários cidadãos e políticos nas praças e prefeituras espanholas em protesto silencioso

Efe,

10 de março de 2008 | 14h36

Dezenas de milhares de pessoas se concentraram em silêncio ao meio-dia desta segunda-feira, 10, em frente às prefeituras espanholas, em protesto contra o assassinato do ex-vereador socialista Isaías Carrasco, atribuído à organização radical basca ETA (Pátria Basca e Liberdade).   Veja também: Filha de político assassinado pede voto em massa contra ETA  Lula envia nota ao governo espanhol sobre atentado   Representantes de todos os partidos políticos juntamente com cidadãos do país se concentraram, convocados pela Federação Espanhola de Municípios e Províncias (Femp), nas praças e prefeituras para fazerem cinco minutos de silêncio em memória de Carrasco, morto na sexta-feira, 7, na cidade basca de Mondragón, na província de Guipúzcoa.   Cerca de 300 pessoas se concentraram no começo da manhã em Mondragón, ao mesmo tempo em que duas convocações paralelas aconteciam: uma dos colegas de trabalho do ex-vereador socialista e outra do sindicato nacionalista basco ELA.   À iniciativa das prefeituras espanholas se somaram o príncipe Felipe, herdeiro da Coroa espanhola, e sua esposa, Letizia Ortiz, que também fizeram cinco minutos de silêncio em Barcelona, onde realizam uma audiência de trabalho.   O atentado fez com que os partidos políticos concordassem em antecipar o fim de seus atos eleitorais e condenassem rotundamente, de forma unânime, junto ao Governo e às organizações sociais, a ação terrorista atribuída à ETA.   O assassinato de Carrasco aconteceu dois dias antes das eleições gerais, realizadas no domingo, 9, e nas quais venceu o governista Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), que conseguiu eleger 169 dos 350 deputados do Congresso espanhol. O Partido Popular (PP), conservador, conseguiu 153 assentos.   Após a divulgação do resultado das urnas, o líder socialista e presidente do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, dedicou suas primeiras palavras a Carrasco e a todas as vítimas do terrorismo.   Nesta segunda-feira, o secretário de Organização e porta-voz dos socialistas do País Basco, Rodolfo Ares, dedicou "o triunfo histórico" dos socialistas a seu companheiro assassinado.   A cidade onde morava o ex-vereador socialista será palco às 19h hora local (15h em Brasília) de uma nova manifestação em memória de Carrasco.

Tudo o que sabemos sobre:
ETAterrorismoprotestoEspanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.