Ministra alerta que há 30 complôs terroristas no Reino Unido

Informação justificaria o aumento de 28 para 42 dias do prazo de detenção sem acusações dos suspeitos

EFE

13 de abril de 2008 | 07h10

A ministra britânica de Interior, Jacqui Smith, assegurou neste domingo que a ameaça terrorista contra o Reino Unido é "grave" e "crescente", ao mesmo tempo em que alertou que atualmente há 30 complôs ativos para promover atentados contra o Reino Unido. "Há 2.000 indivíduos sob vigilância. Há 200 redes envolvidas em 30 complôs ativos", afirmou a ministra em entrevista ao jornal sensacionalista "News of the World", no qual justificou a necessidade de aumentar de 28 para 42 dias o prazo de detenção sem acusações de suspeitos de terrorismo. Essa ampliação está recolhida no chamado Projeto de Lei Antiterrorista de 2008, peça-chave da agenda legislativa do Governo de Gordon Brown, que suscitou uma grande controvérsia no Reino Unido e pode gerar uma rebelião nas fileiras trabalhistas. "Não podemos esperar que ocorra um atentado para dotar-nos de novos poderes. Temos que seguir adiante", considerou a ministra na entrevista ao sensacionalista "The Sun". Smith insistiu que, se as agências de segurança e a Polícia, encarregadas com a missão de "proteger" o país, asseguram que cada vez é mais difícil fazer frente à ameaça terrorista e que necessitam de mais tempo para investigar minuciosamente, é seu dever proporcionar-lhes as ferramentas que precisam. "O perigo aumentou nos últimos dois anos. Desde o começo de 2007, houve 57 pessoas condenadas por complôs terroristas. Quase a metade delas se declarou culpada, portanto isto não é produto de nossa imaginação. É um risco real ao qual precisamos dar resposta", assegurou a ministra. A titular de Interior disse que quando o Governo estendeu em 2005 o prazo de 14 para 28 dias, depois que uma rebelião nas filas trabalhistas impediu o então primeiro-ministro, Tony Blair, ampliá-lo para 90 dias, os críticos à medida disseram que não havia necessidade para essa a extensão e que não ela não ia ser utilizada.

Tudo o que sabemos sobre:
TerrorismoReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.