Ministro curdo do Iraque prevê ataques limitados da Turquia

O Iraque prevê ataques aéreos apenaslimitados da Turquia contra separatistas curdos no norte dopaís e quer que os guerrilheiros deixem o solo iraquiano nomenor período possível, disse nesta quinta-feira o ministro doExterior, Hoshiyar Zebari. Em entrevista à Reuters, Zebari disse que o governoiraquiano "não está confortável" com a votação feita noParlamento turco na quarta-feira, que deu luz verde às ForçasArmadas turcas para caçarem membros do Partido de Trabalhadoresdo Curdistão (PKK) no Iraque. A decisão turca alarmou Washington e outros aliados, quetemem que uma incursão no norte do Iraque traga o caos àregião, ameace o fornecimento de petróleo e prejudique astentativas dos EUA de reprimir a violência implacável no país. "Se algo acontecer, será possivelmente ataques aéreoscontra posições suspeitas do PKK", disse Zebari. "Mas, falar deuma ofensiva militar e uma incursão em grande escala em soloiraquiano, isso eu não prevejo." As declarações foram a primeira reação manifestada pelogoverno iraquiano desde a votação na Turquia, e Zebari destacouque Bagdá vê a continuação do diálogo com Ancara como a únicamaneira de resolver o problema do PKK. "Nosso pedido formal é que eles deixem o solo iraquiano edeixem o Iraque para seu povo, não nos causando mais problemasdo que já estamos sofrendo", afirmou Zebari, acrescentando queo PKK deve partir "no menor prazo possível". Foi o primeiro pedido público de Zebari, que é curdo, paraque o PKK deixe o Iraque. "(A Turquia) tem um problema; estamos dispostos adiscuti-lo e a cumprir nossos compromissos. Mas o ponto departida deve ser numa mesa de diálogo, para acertar osmecanismos." O chanceler disse que os governos iraquiano e turco aindaestão discutindo a questão e que prevê a chegada de uma equipeinterministerial turca a Bagdá na próxima semana. Ele avisou que existe o risco de uma incursão turca servista como tentativa de desestabilizar a única regiãorelativamente calma no Iraque, e não como apenas um ataquefocado no PKK. "Minha previsão é que haverá com certeza resistência,especialmente se o exército entrar em áreas povoadas. Haveráresistência da Peshmerga e da população local", disse Zebari,referindo-se às Forças Armadas turcas. Os EUA, aliados de Ancara na Otan, saudaram a visita àTurquia do vice-presidente iraquiano Tareq al Hashemi nestasemana e outros esforços de Bagdá de coordenar ações com o paísvizinho. "O que temos agora são norte-americanos e iraquianoscolaborando com os turcos... contra o PKK", disse a porta-vozDana Perino. "É isso o que faz um bom vizinho." "O que queremos é que a Turquia não envie tropas adicionaisa essa região." Milhares de pessoas saíram às ruas em várias cidades donorte do Iraque, na quinta-feira, para protestar contra avotação no Parlamento turco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.