Ministro de finanças alemão vê risco de partido anti-euro

O ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, disse que o risco de surgir um partido anti-euro precisa ser levado a sério, em entrevista em que defendeu a moeda europeia.

REUTERS

05 de dezembro de 2010 | 14h17

"O perigo de um partido anti-euro precisa ser levado a sério", afirmou o ministro ao jornal Bild em comentários previstos para aparecer na edição de segunda-feira.

Na Alemanha tem havido sugestões de acadêmicos e também em fóruns na Internet de que o país deva abandonar o euro. Uma sondagem recente mostrou que a maioria dos alemães acredita que o país estaria melhor se tivesse mantido o deutschemark.

"Isso é mais uma razão para explicar às pessoas o que elas ganham com o euro. Que o euro as protege da turbulência da globalização melhor do que uma moeda nacional alemã faria", disse Schaeuble.

"Sem o euro, todo alemão seria mais pobre. Sem o euro, o mercado de trabalho estaria muito pior."

Schaeuble, 68, falou em um momento em que aumentam as pressões sobre governos da zona do euro para aumentar o tamanho de fundo de ajuda para Estados em crise e evitar novas turbulências no mercado que possam afetar a estabilidade da moeda.

Reiterando comentários já feitos por ele na sexta-feira, o ministro descreveu reações recentes ao euro como uma tentativa dos mercados financeiros de checar se a moeda comum foi feita para durar.

"Os mercados financeiros estão testando se a construção da zona da moeda comum resistirá. Se funcionará ter uma moeda comum, mas também deixar a política financeira para (governos) nacionais."

O político veterano, que pertence ao partido Democrata Cristão da chanceler Angela Merkel, disse que não há a possibilidade de se permitir a separação da união monetária de 16 países.

"Isso nos custaria muito, muito mais que tudo o que estamos fazendo pelo euro agora", afirmou. "A economia sofreria consequências imprevisíveis, e muitos empregos estariam em risco. E os bancos também enfrentariam problemas enormes."

(Reportagem de Dave Graham)

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAANTIEUROPARTIDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.